Publicidade

Notícias de saúde

Vacina Contra Herpes é Eficaz em Mulheres

Por Keith Mulvihill

TORONTO (Reuters Health) - Pela primeira vez, cientistas desenvolveram uma vacina que ajuda a prevenir o herpes genital, mas que é eficaz somente em mulheres que nunca tiveram herpes simples.

A descoberta foi anunciada no domingo durante a Conferência de Intercientífica sobre Agentes Antimicrobianos e Quimioterapia, em Toronto, Canadá.

Mulheres vacinadas que não tiveram infecção anterior de herpes apresentaram uma redução de 73 por cento nos sintomas do herpes genital, comparadas a mulheres que receberam uma injeção inativa (placebo), de acordo com os pesquisadores da SmithKline Beecham, na Bélgica.

A vacina foi testada em cerca de 3.000 pessoas que tinham relações com um parceiro com herpes genital.

Cerca de 3 por cento desenvolveram herpes genital após tomar a vacina, comparadas a cerca de 11 por cento dos que receberam injeção de placebo. Outros 3 por cento das que receberam a vacina ficaram infectadas, mas nunca desenvolveram lesões genitais.

"Pela primeira vez, compreendemos o vírus do herpes, algo que podemos seguir e utilizar para entender a doença e como vacinar pessoas contra ela", disse Spotswood Spruance, da Universidade de Utah, na cidade de Salt Lake, um dos principais pesquisadores que testou a vacina.

"Existe uma epidemia de herpes genital nos Estados Unidos", disse Spruance. "O número de pessoas cronicamente infectadas continua a crescer, apesar da disponibilidade de uma variedade de drogas antivirais, que têm efeitos no curso da doença", explicou o pesquisador.

"O desenvolvimento da vacina contra esta doença sexualmente transmissível seria extremamente valioso para a saúde pública", acrescentou Spruance.

O herpes é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo herpesvírus (HSV). Normalmente, o HSV do tipo 1 causa vesículas (bolhas) nos lábios e no rosto (herpes oral), enquanto o HSV do tipo 2 afeta a região genital (herpes genital).

Na maioria das vezes, o HSV-1 e o HSV-2 são inativos, ou "silenciosos", e não provocam sintomas, no entanto, algumas pessoas infectadas apresentam surtos periódicos de vesículas ou úlceras. Uma vez que a pessoa se infecta com o HSV, ela fica contaminada pelo resto da vida.

Nos Estados Unidos, 45 milhões de pessoas com 12 anos ou mais, ou uma em cada cinco pessoas da população adolescente e adulta total, estão infectadas com o herpes genital.

Os pesquisadores destacam que têm sido realizadas várias tentativas para se produzir uma vacina contra o herpes, mas nenhuma delas com sucesso.

No estudo da vacina, os participantes -- dos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Itália e Nova Zelândia -- foram acompanhados por 19 meses.

Em um dos estudos, os parceiros que não apresentavam herpes genital nunca haviam se infectado com o HSV-1 ou o HSV-2, enquanto o outro grupo de parceiro tinha o HSV-1, mas não o HSV-2.

Ao final, descobriu-se que a vacina não protegia homens nem mulheres que já apresentavam o HSV-1. A vacina, no entanto, foi cerca de 73 por cento eficaz na prevenção de lesões de herpes genital em mulheres que nunca haviam sido infectadas com nenhuma forma do vírus.

"A infecção geral com o HSV-1 ou o HSV-2 foi reduzida em 45 por cento nas mulheres", destacou Spruance.

"Acreditamos que o mecanismo para redução da doença foi atingido pela diminuição da infecção", disse o pesquisador. E por que a diferença entre homens e mulheres?

"Não sabemos com certeza, no entanto, se a diferença anatômica pode desempenhar algum papel. A vagina contém fluidos que podem conter funções de anticorpo que reagem contra o vírus quando ele é depositado", sugeriu Spruance.

"Nos homens, não existe essa cavidade fluida e eles tendem a contrair o herpes através de uma lesão na pele do pênis, fazendo com que eles sejam menos capazes de atacar e matar o vírus", acrescentou o pesquisador.

Devido ao fato de uma grande porcentagem da população já estar infectada com o HSV-1, Spruance destacou que, muito provavelmente, a vacina será eficaz se for dada a meninas adolescentes.

"Minha preferência seria imunizar as adolescentes de 10 a 13 anos", disse o pesquisador.

"Acreditamos que este é um grande desenvolvimento que demostra claramente que uma vacina contra o herpes genital pode proteger pessoas contra a doença do herpes genital; ou seja, o desenvolvimento dos sintomas", disse Lawrence Stanberry, da Universidade do Texas, em Galveston, que também testou a vacina.

"O fato de termos encontrado este efeito específico de gênero em dois testes diferentes e a implicação em todas as vacinas contra DST é surpreendente", afirmou Stanberry. "Com certeza, vamos precisar de muitas pesquisas para verificar se estas diferenças específicas de gênero serão as mesmas para outras vacinas contra DST".

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: