Publicidade

Notícias de saúde

Déficit de atenção e hiperatividade pode ter causa genética, diz estudo

07 de outubro de 2010 (Bibliomed). Um distúrbio que afeta milhões de crianças em todo o mundo, conhecido como transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), pode estar relacionado à genética, ao contrário do que muitos médicos acreditavam. Segundo estudo da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, crianças com o problema têm duas vezes mais chances de terem cromossomos ausentes ou excedentes, comparadas àquelas que não apresentam esse transtorno.

Os cientistas avaliaram 366 pessoas com idades entre cinco e 17 anos e que apresentavam déficit de atenção e hiperatividade, comparando seus genomas aos de mil pessoas da mesma idade sem o transtorno. Foi analisada, principalmente, uma sequência de genes ligados ao desenvolvimento do cérebro, previamente associados a condições como autismo e esquizofrenia. E os dados indicaram que 7% das crianças sem o problema tinham excluído ou dobrado os cromossomos na sequência do gene analisado, enquanto a taxa de alterações genéticas foi de 14% entre aqueles que sofriam do transtorno.

“É a primeira vez que descobrimos que as crianças com TDAH têm uma parte do DNA duplicado ou faltando”, esclarece a cientista Anita Thapar, que liderou o estudo. Entretanto, para a pesquisadora, os resultados ainda não afetam o diagnóstico ou o tratamento e são aplicáveis apenas aos caucasianos, pois os estudos não foram feitos com outras etnias.

TDAH

O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade atinge entre 3% e 5% das crianças em idade escolar nos Estados Unidos (não há números para as nações em desenvolvimento), causando desatenção, impulsividade e hiperatividade nas crianças, o que atrapalha, principalmente, sua vida escolar.

“As crianças, muitas vezes, sofrem preconceitos por seus comportamentos e isso acaba trazendo prejuízos nos relacionamentos interpessoais e no rendimento escolar. A pesquisa mostra indícios que a causa pode ser genética, porém existe muita coisa que ainda precisa ser feita para descobrir as causas reais do transtorno”, explica a psicóloga brasileira Denise Marcon, que não participou da pesquisa.

Fonte: Portal Educação. Press release. 06 de outubro de 2010.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: