Publicidade

Notícias de saúde

Dormir pouco ou demais na gravidez aumenta a pressão sanguínea, diz estudo

04 de outubro de 2010 (Bibliomed). A quantidade e qualidade do sono durante a gestação pode ser determinante para a saúde da mãe e do bebê. De acordo com especialistas da Universidade de Washington, nos EUA, as mulheres que dormem demais ou muito pouco no primeiro trimestre de gravidez parecem ter maior risco de sofrer pressão alta e as complicações relacionadas à pré-eclampsia nos últimos meses da gestação.

Em pesquisa com mais de 1,2 mil gestantes, os especialistas notaram que aquelas que dormiam menos de seis horas por noite durante os três primeiros meses de gravidez tinham a pressão sistólica (maior valor na medida de pressão) 3,72 pontos maior no último trimestre de gestação, comparadas àquelas que dormiam nove horas por noite. E as grávidas que dormiam dez horas ou mais por noite também apresentaram maior pressão sistólica (4,21 a mais) do que as que dormiam cerca de nove horas.

Publicados neste mês na revista Sleep, os resultados indicaram que aquelas que dormiam nove horas por noite nos primeiros meses de gestação tinham a pressão sistólica de 114 (ou 11,4, conforme nossa leitura padrão da pressão) nos últimos meses de gravidez, enquanto aquelas que dormiam pouco tinham essa medida em 118, e aquelas que dormiam demais tinham quase 119.

De acordo com os pesquisadores, nove horas de sono é a quantidade apropriada para a gestante, pois essas mulheres têm maior necessidade de sono do que as sete ou oito horas usualmente recomendadas para os adultos. E, apesar de o aumento da pressão parecer pequeno para aquelas que não seguem essas recomendações de horas de sono, ela poderia levar algumas gestantes e os bebês a graves problemas de saúde, pois aquelas que dormiam menos de cinco horas tinham dez vezes mais chances de ter pré-eclampsia.

Embora ainda não estejam claras as razões desses aumentos na pressão sanguínea, os pesquisadores ressaltam a importância do sono para a saúde, principalmente nesse período específico da vida da mulher. Para uma boa noite de sono nessa fase, os especialistas recomendam controlar bem o peso - pois a obesidade aumenta o risco de apneia do sono -; se exercitar a partir da indicação médica; cortar o consumo de cafeína; utilizar um colchão confortável, visto que há maior dificuldade de achar uma boa posição para dormir; evitar cochilos durante o dia; fazer algo relaxante antes de ir para a cama; e, finalmente, sempre consultar um médico em caso de dificuldades para dormir.

Fonte: Sleep. 01 de outubro de 2010.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: