Publicidade

Notícias de saúde

Estudo associa estresse no trabalho ao risco de problemas cardíacos em mulheres jovens

06 de maio de 2010 (Bibliomed). Muita pressão e estresse no trabalho podem ser fatores de risco significativos para doenças cardiovasculares em mulheres jovens, segundo estudo dinamarquês publicado nesta quinta-feira na revista Occupational and Environmental Medicine. Acompanhando, por 15 anos, 12 mil mulheres com idades entre 45 e 64 anos, os especialistas descobriram que aquelas que sofrem com trabalhos mais estressantes têm mais chances de ter doença cardíaca isquêmica - condição que ocorre, muitas vezes silenciosamente, com a restrição do fluxo sanguíneo no músculo cardíaco.

A pesquisa avaliou questionários respondidos por enfermeiras dinamarquesas sobre saúde, estilo de vida e ocupação. E considerou fatores como pressão no trabalho, ambientes psicossociais no trabalho, influência no emprego, características ocupacionais, níveis de atividades físicas durante o trabalho, tabagismo, índice de massa corporal, consumo de álcool e histórico familiar de doenças. Entre as entrevistadas, 6% avaliaram a pressão no trabalho como "excessivamente muito grande" e 580 foram internadas com doença cardíaca isquêmica - com 369 casos de angina, 138 de infartos e 73 de outros casos.

Entre os resultados, os pesquisadores destacaram que as mulheres que disseram que a pressão no trabalho era "excessivamente muito grande" tinham 50% maior risco de terem esses problemas cardiovasculares, comparadas àquelas que relataram pressão controlável no trabalho. Considerando outros fatores de risco, essa maior propensão caía para 35%, permanecendo significativa. E a pressão "muito grande" foi associada a um risco 25% maior, principalmente entre as entrevistadas com menos de 51 anos de idade.

"Parece que o efeito da pressão no trabalho tem um maior impacto sobre as enfermeiras mais jovens", escreveram os autores. "Isso combina com os resultados de estudos anteriores que observam os efeitos específicos por idade em homens e mulheres. O menor risco entre as enfermeiras mais velhas pode ser por causa de outros fatores de risco que se tornam relativamente mais importantes com o aumento da idade. Entretanto, pessoas vulneráveis podem já terem deixado o trabalho", concluem os autores, destacando a necessidade de mais estudos sobre o assunto.

Fonte: Occupational and Environmental Medicine. Maio de 2010.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: