Publicidade

Notícias de saúde

HC Usa Método Inédito em Criança com Disfunção Urinária

SÃO PAULO (Reuters) - Médicos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo adotaram um método inédito no país para tratar crianças com disfunção urinária. A técnica consiste no uso de um equipamento de biofeedback, que tem a função de ensinar a criança a urinar corretamente.

"Este é o único método disponível para tratar o problema em crianças", disse à Reuters na segunda-feira o médico Flavio Trigo Rocha, responsável pela nova técnica no hospital.

De acordo com Flavio Rocha, 40 por cento das crianças tratadas no ambulatório de urologia do hospital apresentavam infecções e perdas urinárias persistentes sem causa anatômica.

"Percebemos que essas crianças tinham o hábito de contrair o esfíncter - o músculo da bexiga - como forma de controle da urina, o que, além de não ser natural, tem como consequência infecções, perdas repetidas e até mesmo lesão no rim", afirmou Rocha.

O tratamento é feito com o uso de eletrodos, que registram a atividade do esfíncter e mostram o exato momento em que a criança o contrai. "Nós mostramos isso à criança e a ensinamos a urinar corretamente, ou seja, relaxando o esfíncter durante a micção", explicou Rocha, que já tratou pelo novo método 30 crianças entre 4 e 11 anos nos último dois meses.

"Este é um método muito em voga para crianças e idosos, pois não tem efeitos colaterais. Um consenso da Organização Mundial de Saúde (OMS) elegeu o equipamento de biofeedback como o primeiro método de escolha para o tratamento de incontinência urinária em idosos", disse Rocha, acrescentando que o método também é utilizado para o tratamento de incontinência urinária em adultos.

Segundo Rocha, normalmente, o surgimento da disfunção urinária em crianças tem um componente psicológico e fatores como falta de estrutura familiar, pais separados e pressão para que a criança controle fezes e urina precocemente contribuem para o problema.

O ideal, de acordo com o médico, é que a criança desenvolva a função de controle do ato de urinar naturalmente, o que ocorre entre 2 a 4 anos. "As crianças não devem sofrer pressão para controlar a micção. Elas devem desenvolver sua consciência de quando urinar naturalmente", afirmou Rocha.

O novo tratamento será apresentado no 1o. Congresso de Urologia da Universidade de São Paulo, entre 31 de agosto e 2 de setembro em São Paulo.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: