Publicidade

Notícias de saúde

Tecnologia do Incor Acelera Medicina à Distância no País

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - Imagine se o médico do hospital próximo à sua casa lhe dá um diagnóstico que o deixa em dúvida e você pensa em pedir uma segunda opinião, mas o centro de referência mais próximo está a milhares de quilômetros de distância. Agora imagine fazer o exame no hospital, mas ter a possibilidade de consultar um especialista de um grande centro, mesmo distante.

Essa é uma das opções que se abrem aos pacientes com a união entre a Internet 2 (nome comercial para redes de alta velocidade usadas nos meios acadêmicos e científicos e governamentais) e a telemedicina, ou medicina à distância.

A tecnologia permite que vários tipos de exames, como ecocardiogramas, cateterismos, raios X, tomografias, entre outros, possam ser realizados em pequenos hospitais e os resultados terão a chance de chegar a um especialista de um grande centro de outra cidade ou até mesmo de outro país para ser analisados. Há possibilidades até para que o médico especialista fale com seu paciente por meio de teleconferências.

O exame é colhido da maneira tradicional e por meio de um computador os dados são compactados e transmitidos.

"Hoje em dia, 80 por cento dos casos que recebemos poderiam ser resolvidos na origem, sem a necessidade do deslocamento do paciente, através da aplicação da tecnologia de telemedicina", disse a cardiologista do Instituto do Coração de São Paulo (Incor), Elizabeth Kaiser. Ela participou de uma videoconferência na Comdex 2000, feira de informática e tecnologia voltada a empresas, realizada em São Paulo na semana passada.

Tadeu Portoloti de Oliveira, 15, vítima de uma insuficiência renal, foi um dos pacientes que testaram a tecnologia, disponível no estande do InCor na Comdex.

"Pelo que pudemos observar, a melhor opção (no caso de Oliveria) seria o tratamento clínico", disse o cardiologista do InCor Humberto Freitas, por meio de videoconferência, depois de receber os 50 megabytes do exame do jovem pela rede de alta velocidade.

Toda a tecnologia envolvida na telemedicina realizada pelo InCor foi desenvolvida pelo próprio centro hospitalar, que gastou 4 milhões de reais num projeto de dois anos.

A Internet 2 já interliga no Brasil o InCor, o Hospital São Paulo, a Universidade de São Paulo, a Unicamp, a Pontifícia Universidade Católica-SP e outras instituições do Estado. No futuro, a rede deve conectar centros de pesquisa de outras regiões do país.

De acordo com o diretor da Unidade de Sistemas do InCor, Humberto Tachinardi, o instituto já está discutindo a interligação com centros de referência dos EUA, como a Cleveland Clinic, Jonh Hopkins e a Mayo Clinic.

Com isso, as pesquisas do hospital poderão ser discutidas com cientistas norte-americanos de maneira mais barata e rápida. "Entre os estudos está a busca de novas drogas para tratamentos cardíacos e pulmonares, e também pesquisas sobre genoma e biologia molecular", disse Tachinardi.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: