Publicidade

Notícias de saúde

Tratamento de cefaléias inclui medicação, mudança de hábitos de vida, fisioterapia e avaliação odontológica

04 de Abril de 2003 (Bibliomed). As cefaléias podem ser relacionadas a uma série de fatores, como as mudanças bruscas de temperatura, os cheiros fortes, a privação ou o excesso de sono, as mudanças hormonais e o estresse. Alguns alimentos também são predisponentes a cefaléias, como produtos à base de queijos, principalmente amarelos; vinho tinto; algumas frutas em excesso, como banana e laranja; embutidos que contenham nitrito como conservante, por exemplo, salaminho e mortadela; e glutamato (sal) da comida chinesa e japonesa, assim como os alimentos gordurosos em geral e os alimentos com alto teor de cafeína e xantinas, comuns em chás, café, chocolate e colas.

As bebidas alcoólicas também respondem por grande parte dos casos de cefaléia, já que o álcool causa desidratação e hipoglicemia (diminuição da taxa de açúcar no sangue). A ingestão de gelados pode ser feita, mas com cuidado - vagarosamente e em pequenos goles. O indicado é que a pessoa sensível à cefaléia ingira líquidos com freqüência, proteja-se com óculos escuros, procure ficar à sombra e evite a exposição aos efeitos da claridade por muitas horas.

Segundo a Sociedade Internacional de Cefaléia, existem mais de 100 tipos de dores de cabeça. Noventa por cento da população mundial em algum momento da vida tiveram ou terão dor de cabeça tensional, cujas características são dor na cabeça inteira (holocraniana), em aperto, de intensidade leve a moderada, com sensibilidade à luz e ao barulho. Essa dor geralmente cessa após tomar analgésico comum e freqüentemente é acompanhada de tensões musculares, principalmente na musculatura cervical (pescoço e ombros) e com problemas na articulação têmporo-mandibular. Cada situação exige um tratamento específico, como medicação, fisioterapia, mudanças de hábitos de vida e avaliação odontológica.

Já a enxaqueca é uma dor de cabeça do tipo latejante que pode acometer metade do crânio ou ele todo, apresentar mal-estar, tontura, náusea, fotofobia e fonofobia (aversão ao barulho), de intensidade moderada a severa, que pode durar de 40 minutos a três dias. Também pode vir acompanhada de indisposição e de um fenômeno chamado aura, que se caracteriza por alterações no campo visual, que fica embaçado, escuro e cintilante.

A enxaqueca acomete 15% da população mundial, em uma relação de três mulheres para cada homem. De acordo com a intensidade da crise, é indicado medicamento injetável, quando o paciente apresenta vômitos. Quando a pessoa tem quatro crises de enxaqueca por mês ou menos que isso, mas com dores fortes e duradouras, pode optar pelo tratamento preventivo, em que o medicamento é dado em caráter regular diário por no mínimo seis meses.

Copyright © 2003 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: