Publicidade

Notícias de saúde

Câmara dos Deputados quer regulamentar a profissão de massagista e identificar os bens da terapia

10 de Maio de 2002 (Bibliomed). A cada dia, mais pessoas buscam a massagem como remédio para combater o estresse, a ansiedade ou dores persistentes. Preocupada com o amento da oferta e com a qualidade dos serviços prestados, a Câmara de Deputados iniciou um debate sobre o tema que promete ser polêmico. A intenção é definir qual profissional poderá trabalhar com a massagem como processo terapêutico.

Um projeto de lei apresentado à Mesa Diretora pelo deputado José Carlos Coutinho (PFL-RJ) pretende regulamentar o exercício da profissão de massagista. De acordo com a proposta, de número 6648/02, a permissão para a prática dependerá de um certificado de habilitação registrado no Conselho Federal de Fisioterapia. O tema deverá ser debatido em audiências assim que o projeto de lei for distribuído para as comissões técnicas na Câmara dos Deputados.

A ciência já comprovou os efeitos da massagem em alguns pacientes que sentem dores, estresse, depressão, ansiedade e tensão muscular. São necessários alguns cuidados para se beneficiar da prática, sendo o principal a indicação médica precisa. Foi através do estudo detalhado do chamado “Portão de Melzack-Wall” que a ciência identificou possíveis benefícios da massagem. Existem na pele e nos músculos terminações nervosas especializadas em captar estímulos nocivos, como por exemplo os da dor. Essas terminações, chamadas fibras C, são finas e conduzem os estímulos lentamente até o cérebro. Esse órgão vai codificar a informação e identificá-la como dor. A principal área do cérebro que recebe esse tipo de estímulo é denominada de límbico, sendo a mesma que cuida das emoções. Ao lado das terminações nervosas das fibras C existem as fibras mielinizadas, mais grossas e velozes. São elas que conduzem os estímulos do tato provocados pelos movimentos da massagem. Como um mesmo canal na medula conduz estímulos dos dois tipos de fibras, o que chega mais rápido interrompe a passagem do outro.

As fibras mielinizadas correspondentes ao tato - mais velozes - acabam impedindo a chegada das informações de dor levadas pelas fibras C. Dessa forma, o cérebro pára de perceber a dor. A sensação de alívio torna-se predominante. Apesar de haver uma explicação científica para o funcionamento da técnica, não se pode acreditar nela como solução para qualquer mal.

Durante a massagem ocorre a dilatação dos vasos sangüíneos no local massageado, com aumento do fluxo de sangue e melhora da troca de nutrientes. A sensação de prazer e relaxamento é também constatada, assim como a redução de edemas (inchaços), em alguns casos.

Antes de ingressar em uma sessão de massagem, as pessoas devem procurar um médico para identificar a origem do incômodo. Em alguns casos, a indicação indevida pode até agravar o problema. Atualmente, alguns especialistas sugerem a aplicação da massagem para alívio de dores em geral e nas costas (lombalgias); nódulos musculares; torcicolo; relaxamento contra estresse e ansiedade; redução de inchaços (edemas) após cirurgias plásticas e diminuição de tensão muscular.

Copyright © 2002 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: