Publicidade

Notícias de saúde

Gravidez de risco merece atenção de mães e médicos

Belo Horizonte, 12 de Julho de 2001 (eHealthLA). A gravidez de risco é ainda um desafio para médicos e merece atenção especial das mulheres. De cada dez brasileiras que engravidam, pelo menos uma enfrentará a gestação com mais riscos para a própria saúde ou para a vida do bebê.

Com objetivo de reduzir os riscos e garantir maior tranqüilidade ao longo dos nove meses, os médicos recomendam o planejamento precoce da gravidez e um bom acompanhamento pré-natal.

Para alguns médicos, o ideal é que toda mulher comece a se preparar, pelo menos, três meses antes de tentar engravidar. Esse é o tempo necessário para que ela se informe sobre as mudanças ocorridas durante a gravidez, realize exames básicos, trate possíveis infecções não identificadas anteriormente, receba vacina e, se necessário, suplementos nutricionais prescritos por um médico.

Entre os fatores de risco mais comuns para a gravidez estão as doenças crônicas, como hipertensão arterial (pressão alta) e diabetes; problemas cardíacos; desnutrição e a gravidez em mulheres muito jovens ou com idade bastante avançada. As mulheres que se encaixam nesse perfil devem preparar a ocorrência da gravidez ainda mais cedo.

A prematuridade (nascimento do bebê antes de completar os nove meses), a fragilidade do recém-nascido ou, em casos mais delicados, até a morte de mãe ou filho, são algumas das possíveis conseqüências das gestações de risco. Algumas vezes, a gravidez pode ser até mesmo contra-indicada após avaliação médica.

Os médicos, sobretudo ginecologistas e obstetras, precisam estar atentos para os sinais de risco. A paciente deve receber orientações. É muito provável que a gestante necessite um serviço especializado e bem equipado, com unidade intensiva.

No caso das pacientes que utilizam a rede pública, as orientações e cuidados devem ser ainda mais sistemáticos. Muitas mulheres descobrem a existência de fatores de risco somente após a gravidez, enquanto o ideal seria controlar primeiramente a doença, minimizando assim os riscos de complicações que poderiam levar à perda do bebê ou à própria morte. Outro complicador é o fato das mulheres procurarem o médico tardiamente.

O avanço nos recursos de diagnóstico tem ajudado a detectar um maior número de casos de gravidez de risco. Tratamentos mais modernos já permitem que as mulheres acima dos 35 anos ou portadoras de doenças crônicas, antes sem chances de engravidar, possam ter seus bebês. Com isso, o número de casos de gravidez de risco é cada vez maior.

Copyright © 2001 eHealth Latin America

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: