Publicidade

Notícias de saúde

Adesivo de Testosterona Pode Ajudar Mulheres com Falência Ovariana

Por Pippa Wysong

TORONTO, (Reuters Health) - Um adesivo de testosterona especialmente desenvolvido pode ajudar a manter ossos saudáveis em mulheres com falência ovariana prematura (FOP).

A FOP ocorre quando as mulheres param de menstruar numa idade precoce, habitualmente abaixo de 40 anos. Normalmente as mulheres produzem androgênio (incluindo testosterona) em pequenas quantidades de duas fontes nos seus corpos, a glândula adrenal e os ovários.

Na FOP, os ovários não mais produzem androgênio, e as mulheres desenvolvem uma deficiência deste hormônio. A deficiência está ligada a um aumento na perda óssea com o tempo, levando a um maior risco de uma doença de afinamento ósseo, a osteoporose, e um risco aumentado de fraturas.

O objetivo do tratamento é tentar balancear os hormônios nestas mulheres, e neste momento não há tratamentos para devolver o equilíbrio dos hormônios masculinos nestas pacientes. “Mulheres que têm FOP têm menores níveis de androgênios (hormônios masculinos) do que mulheres que menstruam regularmente”, disse a Dra. Sophia N. Kalantaridou, pesquisadora endocrinológica do National Institutes of Health (NIH), em Bethesda, Maryland. Ela apresentou um estudo de mulheres com FOP que usaram adesivos de testosterona no 82o encontro anual da Endocrine Society.

Nove mulheres de idades entre 28 e 41 anos que tiveram diagnóstico de FOP foram incluídas em um estudo para avaliar os adesivos de testosterona.

Primeiro, elas receberam terapia de reposição hormonal (TRH) padrão por 2 meses. A TRH é frequentemente administrada a mulheres com FOP porque ela ajuda no retorno aos ciclos menstruais normais. Após isto, elas receberam adesivos de testosterona especialmente confeccionados (a testosterona é um androgênio) para o uso. Elas usaram os adesivos por 2 meses.

Os pesquisadores colheram amostras de sangue durante o estudo para testar os níveis de testosterona nestas mulheres. As pacientes também foram avaliadas para ver se os adesivos causavam quaisquer efeitos colaterais, tais como excesso de cabelo facial, acne ou aumento na massa muscular.

Os adesivos foram especialmente desenvolvidos para o estudo e continham níveis de testosterona que eram um trigésimo da dose usada em adesivos para homens com deficiência de testosterona. A idéia era atingir níveis de testosterona nestas mulheres que seriam considerados normais para mulheres, e não níveis que seriam encontrados em homens, explicou a Dra. Kalantaridou.

Este pequeno estudo mostrou que o uso destes adesivos de baixa dosagem de testosterona em mulheres era seguro, não causou efeitos colaterais, e resultou em níveis normais de testosterona. Não foram vistos efeitos colaterais, mostrando que estas doses não eram muito altas. Um estudo maior teve início através do NIH, e pesquisadores esperam recrutar 110 mulheres com FOP. O estudo irá comparar mulheres usando adesivos com testosterona com mulheres usando adesivos com placebo (aqueles que não contêm o hormônio).

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: