Publicidade

Notícias de saúde

Hormônio da Paratireóide Reduz Risco de Fratura por Osteoporose

Por Melissa Knopper

CHICAGO,(Reuters Health) - Terapia com hormônio da paratireóide pode ser uma maneira alternativa para ajudar na luta contra a doença que afina os ossos, osteoporose, relatou um pesquisador no Congresso Mundial sobre Osteoporose da National Osteoporosis Foundation. Embora tratamentos disponíveis no mercado agora possam prevenir aproximadamente 50% das fraturas osteoporóticas, o hormônio da paratireóide tem possibilidades empolgantes porque, ao contrário de outros tratamentos, ele estimula o crescimento ósseo, disse o Dr. Robert Lindsay, professor da Columbia University College of Physicians and Surgeons in New York.

"Nós acreditamos estar agora no rastro de agentes que formam os ossos, e que isto representará, de fato, a cura da osteoporose", disse o Dr. Lindsay.

Ainda neste ano, aponta Lindsay, seu grupo planeja obter aprovação do FDA para usar a terapia com hormônio da paratireóide como novo tratamento para a osteoporose. O hormônio da paratireóde ajuda a regular o cálcio corporal e é normalmente secretado pelas glândulas paratireóides (quatro estruturas do tamanho de uma ervilha que se localizam sobre a glândula tireóide no pescoço).

Enquanto há agora várias maneiras de se prevenir e se tratar a osteoporose, incluindo terapia com estrogênios e com as drogas alendronato e calcitonina (um hormônio tireoideano), há uma necessidade por novos medicamentos que possam reduzir o risco de fraturas. O Dr. Lindsay e uma equipe de médicos do Hospital Helen Hayes em West Haverstraw, New York, observaram um grupo de 52 mulheres que tiveram o diagnóstico de osteoporose e já estavam em uso de terapia estrogênica por pelo menos um ano. Metade das pacientes também receberam injeções de hormônio paratireoideano.

Após 3 anos, os cientistas mediram a densidade óssea em ambos os grupos. A estrogenioterapia sozinha foi capaz de deter a perda óssea que ocorre com a osteoporose, porque aquelas mulheres tomando o hormônio tiveram medidas de densidade óssea que essencialmente não mudaram. Entretanto, as mulheres que receberam tanto o estrogênio quanto o hormônio da paratireóide mostraram um aumento de 13% na massa óssea na coluna vertebral e um aumento de 5% na pelve. As mulheres também relataram menos ossos quebrados decorrentes de quedas durante o período do estudo.

Os resultados mostram que o hormônio da paratireóide, associado à terapia estrogênica, funcionam melhor que o estrogênio sozinho, relatou o Dr. Lindsay.

Os achados são importantes porque todo ano aproximadamente 300.000 pessoas são admitidas em hospitais nos Estados Unidos após fratura da pelve, de acordo com a National Osteoporosis Foundation. Também, as mulheres têm 2 a 3 vezes mais chance de fraturar a pelve, quando são comparadas com os homens. Em média, 24% das fraturas de pelve em pacientes acima de 50 anos de idade morrem dentro de um ano após a queda.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: