Publicidade

Notícias de saúde

Estresse Reduz Capacidade da Pele de Combater Doenças

31 de Janeiro de 2001 (Bibliomed). A ansiedade, o desânimo e a confusão estão "escritos no seu rosto"? Agora, pesquisadores afirmam que essa figura de linguagem pode ser verdadeira.

Um novo estudo descobriu que o estresse parece diminuir a capacidade da pele de funcionar de forma adequada, cicatrizar feridas e combater doenças.

"Todos na dermatologia temos a compreensão de que certas doenças pioram com o estresse psicológico mas, sinceramente, ficamos surpresos com as descobertas", disse o co-autor do estudo, Peter M. Elias, do Centro Médico de Assuntos para Veteranos, em São Francisco, Califórnia.

"O que acreditamos que estamos demonstrando aqui é o efeito direto do estresse na epiderme", acrescentou Elias.

Durante o estudo, os pesquisadores analisaram 27 estudantes de Medicina, Odontologia e Farmácia da Universidade da Califórnia, em São Francisco, que apresentavam peles saudáveis.

Elias e sua equipe mediram os níveis de raiva, confusão, ansiedade, depressão, fadiga e tensão em três ocasiões diferentes durante oito semanas em 1999, um período que incluiu duas viagens e uma semana de provas.

Nesse período, os cientistas aplicaram e retiraram repetidamente uma fita adesiva nos antebraços dos estudantes. Depois, eles mediram a rapidez com que a pele dos participantes recuperava sua capacidade de "respirar" adequadamente.

Elias e sua equipe descobriram que a recuperação da pele parecia estar diretamente relacionada aos níveis de estresse -- com o estresse alto durante as provas associado a uma menor capacidade da pele irritada de retomar sua função normal.

As descobertas estão publicadas na edição de janeiro de Archives of Dermatology.

Os pesquisadores afirmaram que descobriram a primeira relação direta entre o estresse e uma queda na capacidade da pele de readquirir o funcionamento normal após irritação.

Além da recuperação por ter uma fita adesiva aplicada e removida da pele, essa ligação pode colocar uma pessoa estressada sob risco maior de doença de pele comum, como psoríase e dermatite, de acordo com o estudo.

"Os médicos são treinados como cientistas", disse Elias. "Desse modo, sem provas, muitos dos meus colegas não levavam isso a sério. Mas agora estamos colocando o assunto no âmbito objetivo", acrescentou o pesquisador.

Elias destacou que, para evitar que o estresse se manifeste no seu rosto, a meditação, o biofeedback, a terapia em grupo e a hipnose podem ajudar as pessoas.

Essas técnicas de redução do estresse podem ajudar enquanto a pessoa continuar concentrada e envolvida, de acordo com Francisco A Tausk, professor associado de dermatologia da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland, e autor de um editorial acompanhando o estudo.

"Infelizmente, acredito que elas precisam de disciplina", disse Tausk à Reuters Health.

"Eu mesmo não tenho disciplina, mas se você tem, (as técnicas) funcionam, normalmente envolvendo uma combinação de exercícios, dieta e relaxamento. Elas ajudam -- mas você tem que fazer", acrescentou Tausk.

Copyright © 2001 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: