Publicidade

Notícias de saúde

Antidepressivos Promovem Crescimento de Neurônios em Ratos

NOVA YORK (Reuters Health) - Uma nova pesquisa pode ajudar a explicar, pelo menos em partes, como os antidepressivos agem.

Em um estudo conduzido em ratos, o uso regular de antidepressivos promoveu o crescimento de novas células no hipocampo, uma área do cérebro onde as células são conhecidas por se deteriorar em pessoas que estão deprimidas. O hipocampo desempenha um papel no aprendizado, na memória e no humor.

Diversos tipos de medicamentos tratam sintomas de depressão, mas o modo exato como essas drogas agem continua sendo um mistério, de acordo com o principal autor do estudo, Ronald S. Duman, da Universidade de Yale, em New Haven, Connecticut.

Em entrevista à Reuters Health, Duman alertou que ainda é muito cedo para saber se o crescimento de novos neurônios é a ação principal dos antidepressivos. Mas, segundo Duman, "essa é uma parte da história".

Pesquisas anteriores demonstraram que a depressão e o estresse -- físico e psicológico -- podem destruir neurônios e impedir o crescimento de novas células no hipocampo.

Duman e sua equipe deram os antidepressivos tranilcipromina, fluoxetina e reboxetina a ratos. Cada droga representa uma classe diferente de antidepressivo.

Os pesquisadores também trataram os ratos com terapia eletroconvulsiva e uma droga antipsicótica.

Em ratos tratados com um antidepressivo por duas a quatro semanas, o número de neurônios no hipocampo cresceu de 20 a 40 por cento, afirmaram os cientistas na edição de 15 de dezembro do Journal of Neuroscience.

Após duas a quatro semanas de terapia eletroconvulsiva, o tratamento mais eficaz para casos de depressão difíceis de tratar, o número de neurônios aumentou em cerca de 50 por cento.

O estudo indica que é necessário um tempo para que os benefícios dos antidepressivos no crescimento de neurônios comecem a acontecer.

O número de neurônios não aumentou em ratos que foram tratados com um antidepressivo por um a cinco dias. A droga antipsicótica não teve nenhum efeito nos neurônios do hipocampo.

As drogas antidepressivas podem fornecer outros benefícios além de promover o crescimento de neurônios no hipocampo, mas Duman e sua equipe pretendem analisar mais detalhadamente esse processo.

"Estamos nos concentrando em como os antidepressivos fazem isso", disse Duman. Segundo Duman, caso os cientistas consigam entender como as drogas promovem o crescimento células, poderão desenvolver novas drogas capazes de desempenhar um papel ainda melhor.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: