Publicidade

Notícias de saúde

África do Sul vive "Holocausto da Aids"

Por Steven Swindells

JOHANESBURGO (Reuters) - A África do Sul terá de encarar um possível "Holocausto da Aids" se não forem tomadas medidas urgentes para deter o avanço da doença, disse na terça-feira um dos principais especialistas em Aids do país.

Malegapuru William Makgoba, presidente do Conselho de Pesquisa Médica (MRC), que funciona com verba governamental, lançou um alerta durante uma entrevista à Reuters, na qual descreveu um futuro cheio de desgraças humanas por causa do HIV/Aids.

O presidente do país, Thabo Mbeki, iniciou uma polêmica internacional ao colocar em dúvida a relação entre o HIV e a Aids. Os medicamentos anti-retrovirais, como o AZT, praticamente não existem no sistema de saúde pública do país pelo custo elevado e por motivos de segurança.

Makgoba disse que nova informação do MRC, compilada pela Organização das Nações Unidas (ONU), Estados Unidos e pela Sociedade Atuarial Sul-Africana, mostra que a doença poderia causar a morte de 5 a 7 milhões de sul-africanos nos próximos dez anos.

"Todos, separadamente, vieram com estimativas de 5 a 7 milhões de indivíduos mortos se a epidemia não for detida, o que contrasta com os 6 milhões de mortos durante o Holocausto", disse Makgoba.

"Se não for tomada alguma atitude, chegaremos a cifras do Holocausto. Se não fizermos nada, essa é a previsão", disse.

Pesquisas preparadas pelo governo indicam que 4,2 milhões de sul-africanos, um em cada dez, vivem com HIV, o que coloca o país no epicentro da epidemia do continente mais afetado do mundo.

Dados da indústria de seguros sul-africana apontam um índice de infecção superior aos 2.000 casos diários e estimam que a expectativa de vida dos sul-africanos vai diminuir de 63 a 41 anos até 2010.

A empresa do setor financeiro ING Barings considera que a Aids vai frear o crescimento econômico da África do Sul, agravará a já crítica escassez de mão-de-obra qualificada, aumentará a inflação e diminuirá as economias e investimentos no país.

Segundo um estudo sobre mortalidade recém-concluído pelo MRC, mais da metade das mortes ocorridas entre a população de 15 e 49 anos é resultado da epidemia de HIV/Aids.

"Ao entrar nos principais hospitais da África do Sul ... Cinquenta por cento dos pacientes têm relação com o HIV ...", disse Makgoba.

"O governo deve tomar medidas. Temos que enviar uma mensagem sobre a importância (dos medicamentos) ... Devemos aceitar que há anti-retrovirais no mercado que podem ser custeados e são eficazes e que alguns países, como Uganda, vêm utilizando", acrescentou.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: