Publicidade

Notícias de saúde

Mutação em um Gene Causa Resistência de Protozoário da Malária

Por Maggie Fox

WASHINGTON (Reuters) - Um único gene torna o agente causador da malária resistente à principal droga para tratar a doença, a cloroquina, afirmaram pesquisadores na quinta-feira.

A descoberta pode facilitar o desenvolvimento de novos medicamentos para tratar o mal, além de retomar o uso da cloroquina -- uma droga barata e eficaz que se tornou inútil em muitas regiões devido à forma mutante do microorganismo.

A transmissão da Malária é feito através da picada da fêmea do mosquito do gênero Anopheles, que necessita de sangue para a produção de ovos. Com a saliva do mosquito penetram também no organismo protozoários do gênero Plasmodium, que pelo sangue chegam ao fígado e ao baço. Nestes locais eles se reproduzem dentro das hemácias do sangue onde crescem em número e as arrebentam. Depois da ruptura, mais microorganismos são liberados no sangue e mais glóbulos vermelhos são invadidos.

Os ciclos de destruição das células provocam febres altas repentinas, tremores, calafrios e grande produção de suor. A malária também pode provocar anemia, por causa da destruição de glóbulos vermelhos, e problemas cerebrais.

A malária atinge entre 300 milhões a 500 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano e mais de um milhão de pessoas -- a maioria delas crianças pequenas -- morrem da doença por ano.

A cloroquina, baseada no mesmo composto da casca de árvore usado na quinina, foi desenvolvida como parte de um programa na década de 40. O protozoário, no entanto, desenvolveu, gradualmente, resistência à droga e sua forma mutante espalhou-se para todos os continentes afetados pela malária.

"A resistência à cloroquina não surgiu até a década de 50", disse Thomas Wellems, do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (Niaid), dos Estados Unidos.

"Isso levou muito tempo. Este longo período significa que foi um complicado processo genético", afirmou Wellems, acrescentando que a malária resistente à cloroquina só atingiu a África na década de 70.

Cientistas acreditavam que muitos genes estariam envolvidos na resistência à cloroquina, o que tornaria o problema difícil de ser entendido. Wellems e sua equipe, no entanto, descobriram que entre quatro e oito pequenas mutações em um gene conhecido como PFCRT parecem responder pela resistência à cloroquina em protozoários da Ásia, África e América do Sul.

Wellems e sua equipe afirmam, na edição de 20 de outubro de Molecular Cell, sua descoberta indica que é possível modificar um pouco a fórmula da cloroquina para que ela seja eficaz contra o parasita mutante.

"Sabemos que existem certos agentes reversos que podem ser administrados com a cloroquina para dar a ela um novo sentido", afirmou Wellems.

"Uma boa hipótese é que, eventualmente, podemos alterar a droga cloroquina de maneiras específicas e elas podem ser ativas contra certas cepas", acrescentou o pesquisador.

No lugar da cloroquina, médicos recomendam a mefloquina, vendido como Lariamar, pelo laboratório Roche. No entanto, existem reclamações de que a droga pode causar estranhos efeitos colaterais psiquiátricos como sonhos bizarros.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: