Publicidade

Notícias de saúde

Câncer: Novos Métodos de Detecção

Os médicos não se cansam de falar: quanto antes o câncer for detectado, maior a possibilidade de tratamento. Duas novas técnicas – uma desenvolvida no Brasil, a outra nos Estados Unidos – vão ajudar nessa luta.

Em São José dos Campos, interiores de São Paulo, pesquisadores da Univap estão desenvolvendo um novo método para a detecção de tumores malignos, com o uso de imagens espectroscópicas.

O método substitui a biópsia tradicional. Com a "biópsia ótica", não é necessária a cirurgia, e o paciente fica sabendo do resultado do exame em minutos.

No exame, não é feita nenhuma sutura. Um cabo de fibra óptica, com dimensão de um fio de cabelo, é introduzido na região com tumor ou nódulo.

As imagens são lidas por um programa de computador que decifra o comportamento das moléculas e aponta se as células são malignas ou benignas.

A detecção do câncer de mama também está mais fácil. O responsável foi um médico da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins. O procedimento, um tipo de endoscopia, envolve o uso de uma pequena câmera -- do tamanho de uma agulha fina -- para identificar tecido de mama maligno ou pré-maligno e pode evitar a detecção através de métodos mais tradicionais.

William Dooley desenvolveu a técnica e realizou o procedimento em 55 mulheres. Em 75% dos casos, a técnica de endoscopia identificou com sucesso o câncer, afirma o pesquisador.

Em 40 por cento dos casos, o novo método identificou o câncer ou células pré-malignas que não foram detectados por métodos tradicionais como a mamografia.

O método, que pode ser realizado em pacientes em ambulatórios ou clínicas, exige somente uma anestesia leve e dura cerca de 20 a 30 minutos.

A detecção precoce aumenta chances de tratamento

Quanto antes for detectado o câncer, maior a possibilidade de tratamento. Uma equipe de pesquisadores dos Estados Unidos e do Canadá comprovou que a radioterapia é segura e eficaz em mulheres com câncer de mama em estágio inicial.

Os médicos examinaram 284 mulheres, das quais 71 tinham câncer. Todas estavam em estágio inicial da doença e foram submetidas à lumpectomia, cirurgia em que apenas o tumor e o tecido que o envolve são removidos, preservando a mama.

Não houve diferenças entre os dois grupos em relação a efeitos colaterais, sobrevivência ou taxas de reincidência da doença, cinco anos depois do tratamento.

O tratamento com radiação depois da cirurgia ajudou a impedir o reaparecimento do câncer de mama.

Copyright © 2000 eHealth Latin America

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: