Publicidade

Artigos de saúde

Crianças Pré Escolares nos Estados Unidos estão Usando mais Psicofármacos

Um estudo publicado no The Journal of the American Medical Association e comentado no British Medical Journal de 4 de março mostra que crianças nos Estados Unidos em idade pré escolar estão recebendo mais prescrições de drogas psicoativas, comparadas com as prescrições de 1991. Entre os medicamentos mais usados estão a ritalina (metilfenidato) e a fluoxetina (Prozac), entre outros medicamentos usados para tratar distúrbios psiquiátricos.

Os pesquisadores analisaram dados do Medicaid (tipo de seguro saúde dos Estados Unidos) de dois estados e uma organização de manutenção de saúde também dos Estados Unidos. Eles compararam as prescrições de crianças com idades entre 2 e 4 anos nos anos de 1991, 1993 e 1995. Eles observaram que o número de prescrições de antidepressivos para esta faixa etária dobrou nos grupos atendidos pelo Medicaid e aumentou na organização de saúde. A ritalina foi a droga psicoativa mais prescrita, tendo sido observado que, em dois destes grupos, ela triplicou.

Outro medicamento que começou a ser mais prescrito foi a clonidina, um anti-hipertensivo que tem sido muito usado como tratamento de insônia associada a distúrbios de atenção. O que chama a atenção no uso da clonidina é que ainda não existem estudos rigorosos que tenham confirmado sua eficácia ou segurança como tratamento destes distúrbios em crianças.

Entre os medicamentos antidepressivos, os mais antigos (como os tricíclicos, como o Lexotan e o Triptanol) continuam sendo muito prescritos, apesar de que o número de crianças recebendo novas drogas como a fluoxetina (Prozac) e o hidrocloreto de sertralina (Zoloft) aumentou dramaticamente ao longo dos cinco anos de estudo. Em um dos grupos, 3.2 por 1000 crianças receberam prescrição de antidepressivos.

Esta rápida elevação no número de crianças tratadas com medicamentos levanta muitas questões, como a segurança a longo prazo, eficácia e adequação destas drogas para a determinada faixa etária. Este aumento pode ser devido a vários fatores, como melhora no atendimento e tratamento de crianças com distúrbios de atenção ou hiperatividade, mudanças nos critérios diagnósticos que definem quais crianças sofrem destes distúrbios, o ambiente das instituições pré escolares que pode estar interferindo no desenvolvimento comportamental normal das crianças, e uma atitude mais favorável do público em geral com relação ao tratamento medicamentoso dos problemas comportamentais.

O que não se pode perder de vista é que, com todo este aumento na prescrição de medicamentos que interferem no funcionamento da química cerebral, é preciso ter sempre em mente que a opção pelo uso de medicamentos para tratamento destas doenças deve estar sempre fundamentada em estudos sérios e rigorosos que garantam a eficiência e segurança da abordagem, além de um diagnóstico preciso da criança em questão, e um acompanhamento estreito da evolução destas crianças tratadas.

Fonte: British Medical Journal, 4 March 2000.

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: