Publicidade

Artigos de saúde

Condiloma: Principais Aspectos e Tratamento

Neste artigo:

- Introdução
- Tratamento
- Prevenção
 

Introdução

"Segundo o ginecologista e obstetra Adalberto de Carvalho Valle Netto, "Condiloma" é uma lesão na esfera genital causada pelo Papilomavirus Humano (HPV)."

Este vírus pode se manifestar através de lesões verrucosas, mas também através de lesões mais sutis, somente diagnosticadas através de citologia, colposcopia e biopsia, até formas latentes (não detectada por métodos convencionais) Quando a lesão é uma verruga genital, chama-se de Condiloma Acuminado, mais popularmente conhecido como "Crista de Galo".

Na citologia oncótica (exame preventivo, quando se colhe material para exame microscópico), quando há suspeita de alterações relacionadas ao HPV, deve-se realizar a colposcopia com biopsia dirigida, única forma de se fazer diagnóstico definitivo desta patologia, para então ser instituída a terapêutica adequada.

O HPV pode ser transmissível tanto sexualmente quanto através de instrumental não adequadamente esterilizado. "Pode-se transmitir o HPV, por exemplo, em um exame ginecológico de rotina. Daí a importância das pessoas procurarem centros médicos confiáveis", destaca.

O HPV também pode manifestar-se em pacientes com baixa imunidade, pessoas mais sujeitas a desenvolverem a doença, e também em gestantes, pois a gravidez favorece o desenvolvimento das lesões, mas a contaminação fetal durante a gravidez é pouco provável. Alguns especialistas defendem a cesariana como forma de evitar a contaminação ao nascimento.

Tratamento

De acordo com o Dr. Adalberto, o HPV pode desencadear lesões celulares de baixo grau, como a displasia leve e moderada até a lesões celulares de alto grau (displasia grave, câncer in situ, câncer invasor de colo de útero).

O tratamento do HPV consiste na destruição das lesões causadas pelo vírus. Nas lesões ditas de baixo grau (com baixo potencial de transformação maligna) pode-se fazer a destruição das lesões através do uso de substâncias cáusticas (como ácido tricloroacético e podofilotoxina); já nas lesões ditas de alto grau o tratamento será realizado através de cirurgias. Nas lesões verrucosas de vulva e vagina, pode-se fazer a eletrocauterização.

Dos diversos tipos de HPV, a maioria não leva ao câncer. Para saber quando um tipo de HPV está ou não relacionado com esta doença é necessário que se faça a captura híbrida, para certificar a presença do vírus, porém este método é caro e não está disponível para a maioria da população.

Algumas outras substâncias também fazem parte do arsenal terapêutico como por exemplo a podofilina, hoje em desuso, e substâncias usadas no tratamento de câncer (antibláticos), como 5-fluoracil. Existem ainda pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de vacinas, que poderiam ser usadas tanto profilática como terapeuticamente.

Prevenção

Quanto aos homens, na maioria das vezes, segundo o especialista, eles não manifestam a doença, mas o exame é necessário e caso a doença seja detectada o tratamento deve ser feito.

O exame consiste em uma penioscopia para observar a existência de lesões. Identificada as lesões na penioscopia, deve-se instituir o tratamento, visando a não contaminação futura da parceira.

A prevenção é fundamental. Portanto, utilizar preservativo e evitar múltiplos parceiros são medidas essenciais: "Quanto maior for o número de parceiros, mais exposta ao risco está a mulher", conclui o Dr. Alberto.

Copyright © 2005 Bibliomed, Inc.               14 de Março de 2005



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: