Publicidade

Artigos de saúde

Segurança em casa

© Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Como evitar estrangulamento?
- Como evitar sufocação?
- Como evitar envenenamento?
- Como evitar afogamento?
- Como evitar que a criança se corte?
- Como evitar queimaduras e choques?
- Como evitar quedas?
-
Referências Bibliográficas Selecionadas

Cerca de 90% de todos os acidentes com bebês ocorrem em casa. Talvez seja difícil perceber isso, mas a casa da gente costuma ser um parque de acidentes para crianças. Escadas, bolsas, tomadas, banheiros, portas, cantos de mesa e diversas outras coisas tão corriqueiras para nós podem representar um verdadeiro risco para os pequeninos.

As principais causas de acidentes fatais em casa envolvem queimaduras, sufocação, afogamento, quedas, envenenamento e acidentes com armas de fogo. Conseqüentemente, os locais mais comuns de acidentes são aqueles que apresentam água, calor, chamas, substâncias tóxicas e risco de quedas, tais como cozinha, banheiro, piscina, escadas e janelas altas.

É lógico que você pode tomar uma série de medidas para tornar todos estes lugares mais seguros, mas o melhor que você pode fazer é: nunca deixe sua criança sem supervisão.

Como evitar estrangulamento?

O perigo de estrangulamento está nos locais mais improváveis. Este problema pode ser evitado observando-se certos cuidados:

  • Não coloque cordões ou faixas na cabeça do bebê.
  • Não coloque roupas no bebê com cordas na gola.
  • Verifique se o berço possui espaços onde o bebê pode prender a cabeça. Cubra-os se necessário.
  • Não prenda a chupeta com cordões.
  • Cuidado com fios telefônicos e cordões de cortina pelo chão.
  • Muito cuidado com portas sanfonadas e portas que fecham sob pressão. Elas podem prender a cabeça do bebê.

Como evitar sufocação?

Quando muito novos, os bebês não são capazes de sustentar muito bem sua cabeça. Para proteger o bebê e a criança do risco de sufocação, você deve observar alguns cuidados especiais:

  • Nunca deite a criança com o rosto para baixo sobre uma superfície macia.
  • Cuidado com travesseiros muito fofos, cobertores, edredons, bichos de pelúcia, etc.
  • Não coloque o bebê em um colchão coberto com plástico.
  • Deixe qualquer saco plástico (p.ex.: de lixo, de compras, etc) fora do alcance do seu filho.
  • A sufocação em geral é causada por alimentos, brinquedos e outros objetos pequenos que podem facilmente obstruir as vias respiratórias da criança.
  • Explique à criança a importância de mastigar bem a comida.
  • Nunca deixe a criança correr, brincar ou andar de carro chupando balas, chicletes ou pirulitos.
  • Crianças com menos de 4 anos não devem comer alimentos que podem bloquear as vias aéreas, tais como sementes, uvas, cerejas, pipoca, balas, etc.
  • Ofereça a comida na forma de papinhas. O risco de engasgar é menor. A maioria das crianças não mastiga bem a comida.
  • Não deixe a criança comendo ou bebendo sozinha. Esteja sempre por perto.
  • Preste atenção ao chão da casa: é fácil deixar passar desapercebidos objetos perigosos, tais como pequenas partes de brinquedo, moedas, alfinetes, clipes de papel, bolas, borrachas, baterias, pilhas, anéis, brincos, ímãs de geladeira e tampinhas.

Como evitar envenenamento?

De remédios a maquiagens, passando por temperos, materiais de limpeza e anti-sépticos, a casa está cheia de substâncias venenosas.

Para evitar que seu bebê se envenene, observe o seguinte:

  • Não confie nas embalagens. Dificilmente um recipiente será capaz de resistir à curiosidade de uma criança.
  • Mantenha medicações, materiais de limpeza, aerossóis, tintas, lubrificantes, desengripantes, venenos para rato, bebidas alcoólicas e maquiagens em armários fechados e fora do alcance de crianças.
  • Não coloque materiais de limpeza em garrafas de refrigerante tipo pet usadas. A criança pode confundir e terminar bebendo o produto químico.
  • Cuidado com bolsas (suas e de visitas). Elas podem conter remédios e outras substâncias potencialmente venenosas. Mantenha-as fora do alcance de crianças.
  • Nunca dê medicamentos ao seu filho no escuro. Você pode se enganar com o medicamento ou com a dose. Quando for administrar o remédio, nunca diga que "é um doce".
  • Muito cuidado com as plantas que você tem em casa. Coloque as plantas fora do alcance do bebê. Não cultive plantas tóxicas em casa.

Como evitar afogamento?

O risco de afogamento é uma ameaça para crianças de todas as idades, especialmente as mais novas. O afogamento pode ocorrer em locais com níveis mínimos de água – um bebê pode ser afogar em uma banheira contendo menos de 5 cm de água.

Para reduzir o risco de afogamento, preste atenção no seguinte:

  • Não deixe seu filho sozinho na banheira. Se você tiver que atender ao telefone ou à campainha, não deixe uma criança mais velha vigiando o bebê: tire o bebê do banho, envolva-o em uma toalha e leve-o consigo.
  • Nunca deixe uma criança pequena próxima a qualquer recipiente contendo água ou outro líquido (baldes, bacias, tanques, banheiras, etc).
  • Mantenha a porta do banheiro sempre fechada. Por mais nojento que possa parecer, o vaso sanitário é um local de risco de afogamento para o bebê.
  • Se você tiver uma piscina em casa, instale uma cerca com (no mínimo) 1 metro de altura em volta dela. Deixe o portão de acesso à piscina sempre fechado. Se for uma daquelas piscinas infláveis ou de montar, esvazie-a quando as crianças terminarem de brincar.
  • Não deixe brinquedos na piscina. A criança pode cair quando for tentar pegá-los, sem que você esteja por perto.
  • Coloque seu filho em uma escolinha de natação.
  • Se você estiver em um clube ou na praia, nunca confie em bóias ou flutuadores como substitutos para sua vigilância. Seus olhos são o maior seguro de vida do seu filho.

Como evitar que a criança se corte?

Arranhões e pequenos cortes são um fato da infância. Não existe como se livrar completamente deles. Mas nem por isso você pode facilitar e deixar a criança ter contato à vontade com instrumentos perfurantes ou cortantes.

  • Mantenha facas, tesouras, copos de vidro, latas, barbeadores, chaves-de-fenda e todo outro tipo de instrumento pontiagudo ou cortante fora do alcance de crianças.
  • Cuidado com liquidificadores, espremedores de fruta e a lixeira da cozinha.

Como evitar queimaduras e choques?

As queimaduras, especialmente aquelas decorrentes de líquidos ou água quente, estão entre os acidentes mais comuns da infância.

Para evitar acidentes deste tipo, existem algumas medidas simples que você pode tomar:

  • Não use fogos de artifício. Mantenha isqueiros, fósforos e velas fora do alcance de crianças.
  • Não fume dentro de casa – especialmente, não fume na cama.
  • Não passe fios elétricos sob tapetes e não sobrecarregue tomadas e disjuntores. Tampe as tomadas que não estão sendo utilizadas com protetores específicos.
  • Cuidado com ferros de passar roupa e luzes de natal.
  • Se possível, coloque alarmes sensíveis à fumaça pela casa (p.ex.: no primeiro andar, em cada quarto de dormir, etc) e compre um extintor de incêndio para ser colocado na cozinha.
  • Coloque a televisão, aparelhos de som e outros equipamentos elétricos bem próximos à parede. Isto ajuda a evitar que a criança coloque a mão atrás deles.
  • Teste a temperatura da água da banheira antes de colocar o bebê dentro. Quando for utilizar uma torneira para lavar o bebê ou encher a banheira, abra primeiro a torneira fria.
  • Guarde todos os equipamentos elétricos do banheiro (p.ex.: secadores, chapinhas, barbeadores elétricos, etc) quando não os estiver utilizando.
  • Não tome bebidas ou sopas quentes com a criança no seu colo. Quando for carregar um prato quente, certifique-se de que a criança está distante de você.
  • Nunca segure uma criança no colo enquanto você cozinha.
  • Não esquente a mamadeira do bebê no microondas. O líquido não irá esquentar uniformemente, formando bolhas mais quentes que podem queimar a boca do bebê.
  • Evite a todo custo que o bebê tenha acesso ao forno do fogão.
  • Se a criança for brincar, cuidado com a temperatura dos brinquedos lá fora (cadeirinha do balanço, escorregador, etc). O mesmo vale para o assento do bebê instalado no carro: se o carro estiver estacionado por um período muito longo no sol, o assento ou suas partes de metal podem provocar queimaduras na pele frágil do bebê.

Como evitar quedas?

Até os 2 anos de idade, o bebê já estará se aventurando por todos os cantos da casa, subindo, pulando e escalando tudo que estiver pela frente. As quedas são inevitáveis. Para reduzir os riscos das quedas, aqui vão algumas dicas:

  • Não utilize andadores. Os andadores podem fazer com que o bebê role para dentro de piscinas, fornos, escadas e etc.
  • Esteja sempre atenta às janelas. Se você morar em andares altos, coloque grades ou redes em todas elas. Retire qualquer cadeira, mesa, cama ou outra mobília de perto da janela.
  • Nunca deixe uma criança próxima à escada, sobre a cama ou o trocador sem supervisão.
  • Quando seu filho tiver 10-12 meses de idade, ensine-o como descer as escadas sentando degrau por degrau.
  • Não deixe brinquedos espalhados pelo chão. Cuidado com pregas de tapetes.
  • Não coloque o bebê no sentador sobre mesas, cômodas e outros móveis. Crianças com menos de 6 anos de idade não devem dormir na parte de cima de um beliche.
  • Você sabe que o bebê irá tentar brincar de alpinista, escalando os móveis da casa. Por isso, certifique-se de as mesas, a TV, os armários de chão e etc estejam firmes e fortes. Se for o caso, compre e instale braçadeiras em "L" prendendo os móveis à parede, para evitar que eles caiam sobre o bebê.
  • Coloque protetores emborrachados nas quinas das mesas.
  • Use o cinto de segurança do carrinho quando for passear com o bebê. O mesmo vale para os carrinhos de supermercado que vêm com um lugar especial para o bebê.
  • Trampolins deveriam ser banidos. Não deixe seu filho utilizar um deles.
  • Evite parques e playgrounds de chão duro. O playground ideal possui chão de areia fofa ou algum outro tipo de piso macio.
  • Seu filho vai andar de bicicleta? Coloque um capacete.

Referências Bibliográficas Selecionadas

  1. Loiola A. Vida e Saúde da Criança. 1ª Edição. Uberlândia, Brasil. Editora Natureza, 2005. ISBN 858989503-3.
  2. Rhodes KV, Iwashyna TJ. Child injury risks are close to home: parent psychosocial factors associated with child safety. Matern Child Health J. 2007 May;11(3):269-75.
  3. Jan MM, Hasanain FH, Al-Dabbagh AA. Infant and child safety practices of parents. Saudi Med J. 2000 Dec;21(12):1142-6.
  4. Grossman DC. The history of injury control and the epidemiology of child and adolescent injuries. Future Child. 2000 Spring-Summer;10(1):23-52.
  5. Clamp M, Kendrick D. A randomised controlled trial of general practitioner safety advice for families with children under 5 years. BMJ. 1998 May 23;316(7144):1576-9.
Copyright © 2009 Bibliomed, Inc.

02 de fevereiro de 2009

 



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: