Publicidade

Artigos de saúde

Peelings no tratamento do envelhecimento facial

© Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Classificação dos Tipos de Pele segundo Fitzpatrick
- Pré-Condicionamento da Pele
- Peelings
- Peeling Químico
- Peeling de fenol
- Indicações
- Peeling de ácido tricloroacético
- Peeling de ácido glicólico
- Dermoabrasão
- Tratamento a Laser
-
Toxina Botulínica tipo A

Existem vários tipos de tratamentos para o envelhecimento cutâneo, que em muitas situações podem até mesmo substituir ou acentuar os efeitos de uma cirurgia plástica. Estes tratamentos variam de acordo com o tipo de pele e de acordo com o que se deseja melhorar. Aprenda uma pouco sobre suas indicações, para pedir outras orientações a seu médico.

Os peelings têm indicações específicas e uma delas varia de acordo com o tipo de pele. Alguns peelings não podem ser realizados em peles muito claras e outros não têm efeito sobre peles escuras. Até mesmo o sexo pode influenciar na escolha do peeling. A classificação de Fitzpatrick auxilia na determinação dos 5 diferentes tipos de pele.

Classificação dos Tipos de Pele segundo Fitzpatrick

Os pacientes com níveis de Fitzpatrick mais altos (ou seja, pele mais escura) são mais resistentes ao fotoenvelhecimento. Contudo, eles têm incidência mais alta de alterações adversas da pigmentação (escurecimento ou clareamento) depois de peelings químicos ou resurfacing cutâneo a laser.

Tipo I: Pele de cor branca, muito sensível ao sol, sempre queima e nunca bronzeia.

Tipo II: Pele de cor branca, muito sensível ao sol, sempre queima e bronzeia algumas vezes.

Tipo III: Pele de cor branca, sensível ao sol, algumas vezes queima e bronzeia gradativamente.

Tipo IV: Pele de cor marrom-claro, sensibilidade ao sol moderada, queima muito pouco e bronzeia bem.

Tipo V: Pele de cor marrom, sensibilidade ao sol é mínima, nunca queima e bronzeia ao marrom-escuro.

Tipo VI: Pele de cor: preta, insensível ao sol, nunca queima e bronzeia profundamente.

Pré-Condicionamento da Pele

Os esquemas de pré-condicionamento são usados comumente antes dos peelings químicos e a laser. São feitos com Acido Retinóico (tretinoína, isotretinoina), Roacutane e Hidroquinona. Indicados para um preparo inicial da pele lesada pelo sol (promove clareamento), tratamento de lesões produzidas por acne, diminui as manchas que podem ser produzidas após os peelings, diminui a camada córnea e aumenta a quantidade de vasos sanguíneos. O roacutane é teratogênico, podendo induzir a má formação no feto. Após seu uso a gravidez deve ser evitada por um período de 2 anos. A hidroquinona está indicada principalmente no clareamento, evitando o aparecimento de manchas após os peelings.

Peelings

Através do uso de substancias químicas, abrasivas ou laser sobre a pele, o médico consegue a reversão de várias alterações como manchas, rugas, melhora da elasticidade, com uma renovação importante do aspecto e conseguindo um rejuvenescimento considerável.

Peeling Químico

A epiderme envelhecida é removida no peeling químico e substituída por uma camada nova de colágeno. A regeneração da epiderme começa em 48 h e em geral, está concluída em torno do 7o dia. As alterações da derme demoram mais tempo até chegar ao resultado final pleno. Algumas complicações podem decorrer deste procedimento, como vermelhidões, manchas esparsas, formação de cicatrizes, etc. Entre os diversos tipos de peelings químicos citaremos o peeling de fenol, o de acido tricloroacético e o de ácido glicólico.

Peeling de fenol

Em geral, é seguro e eficaz com resultados duradouros. Produz uma queimadura química controlada e previsível de espessura parcial e raramente aparecem cicatrizes. A maior desvantagem deste tratamento é que seu período de recuperação é longo.

Indicações

As principais indicações deste peeling são: tratamento de rugas grossas e rugas em volta da boca. Indicado também para tratamento de lesões pré-cancerosas e manchas no dorso das mãos.

O peeling de fenol funciona bem na pele grossa e oleosa. Há maior tendência de aparecerem áreas de hiperpigmentação (manchas escuras) com este peeling. Em geral, os homens não são candidatos apropriados, porque sua pele mais espessa não responde tão bem. Não é o tratamento de primeira escolha para a acne. Em 48 horas começa a regeneração da epiderme, em geral concluída em 7 dias. A regeneração total de derme e epiderme ocorre por volta de 3 meses. É um tratamento perigoso para pacientes que sofrem do coração, por que pode desencadear arritmias cardíacas, devendo ser realizado apenas por médicos, obedecendo a todas as precauções necessárias. O pré-tratamento não está indicado. O fenol deve ser aplicado lentamente, para evitar uma absorção rápida, o que desencadearia os efeitos colaterais e aumentaria o risco de arritmias cardíacas.

Certa ardência pode ocorrer e o fenol deve ser aplicado com muito cuidado sobre as pálpebras, evitando o contato com as bordas. O inchaço mais intenso ocorre em 6-12 h. Os olhos podem ficar inchados por 48 horas. Em geral, os pacientes podem usar maquiagem dentro de 10 a 15 dias. Iniciar o uso de filtro solar em 12-14 dias.

Peeling de ácido tricloroacético

Tem menos efeitos colaterais que o peeling de fenol e consegue tratar mais variedades de tipos cutâneos. Sua ação clareadora é menor e o risco de produzir uma má cicatrização também é menor. Tem menor ação que o fenol sobre a pele queimada pelo sol e seu efeito é menos marcante nas rugas faciais grossas, especialmente ao redor da boca. O pré-tratamento com Retin-A e hidroquinona a 4%, por 4-6 semanas antes do peeling , está indicado para potencializar seus efeitos.

Peeling de ácido glicólico

Os ácidos a-hidroxílicos são o ácido glicólico da cana de açúcar; o ácido láctico do leite azedado; o ácido cítrico das frutas cítricas; o ácido tartárico das uvas; e o ácido málico das maçãs. Podem ser encontrados em muitos cosméticos em concentrações baixas. Podem ser usados no pré-tratamento para peelings químicos e terapia a laser. Têm a ação de rejuvenescer o estrato córneo de forma semelhante à tretinoína. Em geral, são usados em peelings superficiais.

Dermoabrasão

Indicada principalmente no tratamento das rugas faciais grossas, principalmente as que se localizam em volta da boca e para as cicatrizes da acne. É realizada utilizando-se um esfoliador, que pode ser uma lixa grossa. Para efetuar este procedimento é necessário anestesia local ou geral. Em geral suas alterações são menos graves que depois dos peelings químicos. Este tipo de tratamento não induz ao aumento das fibras elásticas. Como precaução, deve-se evitar o uso de maquiagem por aproximadamente 10 dias. Em geral, a reepitelialização se conclui em 7 dias.

Tratamento a Laser

O laser está se tornando o tratamento preferido para a pele lesada pelo sol e rugas finas. Os tipos cutâneos I e II de Fitzpatrick respondem melhor com menos efeitos colaterais.Pessoas com pele tipo III correm maior risco de anormalidades da pigmentação. As que possuem peles tipos IV, V e VI em geral não são tratados com laser. Age melhorando a cor da pele, removendo a pele lesada e melhorando também sua textura, à medida que reorganiza o colágeno.

Todos os pacientes são tratados com Retin-A a 0,1%, aplicado diariamente por 1 mês antes da terapia com laser.

Toxina Botulínica tipo A

I. Introdução

A. A toxina é produzida pelo Clostridium botulinum, responsável pela paralisia muscular associada à intoxicação alimentar.

B. Foi usada pela 1a vez na década de 1970, no tratamento do estrabismo. A paralisia dos músculos extra-oculares específicos pode melhorar o alinhamento ocular desses pacientes.

II. Tipos de toxinas: as diversas cepas do C. botulinum produzem 7 toxinas antigênicas diferentes.

A. Tipo A: mais potente e tipo usado mais comumente.

B. Tipo B: menos potente; útil para os pacientes que desenvolvem anticorpos contra o tipo A.

III. Toxinas disponíveis no comércio

A. Botox: tipo A, produzida pela Allergan, Inc., Irvine, Califórnia. Aprovada pela FDA para tratar rugas glabelares em 2002.

B. Dysport: tipo A, produzida pela Ipsen Limited, Maidenhead, Berkshire, Reino Unido.

C. Myobloc/Neurobloc: tipo B, produzida pela Elan Phamaceuticals, San Francisco, Califórnia.

IV. Mecanismo de ação

A. A toxina botulínica atua na placa das terminações neuromusculares colinérgicas pré-sinápticas inibindo a liberação das vesículas de acetilcolina nas terminações pré-sinápticas.

B. As toxinas têm diferentes sítios de ação no receptor conhecido como proteína de ligação do fator sensível à N-etilmaleimida solúvel (SNARE), proteína responsável pelo acoplamento da membrana e pela fusão das vesículas sinápticas que liberam acetilcolina.

C. A recuperação funcional ocorre em 3-4 meses, depois que as germinações dos axônios novos substituem as placas terminais bloqueadas.

V. Preparação das toxinas

A. A toxicidade é quantificada em unidades. Uma unidade (1 U) equivale à quantidade de toxina que mata 50% dos camundongos femininos do tipo Swiss-Webster depois da injeção intraperitoneal.

B. Unidades relativas: 1 U Botox = 3 a 5 U Dysport = 50-100 U Myobloc.

C. A dose letal do Botox nos seres humanos é de 2.500-3.000 U para uma pessoa de 70 kg.

VI. Aplicações clínicas: as rugas ou vincos são produzidos pela hiperatividade dos músculos subjacentes. Com o envelhecimento, os sulcos ou as rugas surgem perpendicularmente às fibras musculares responsáveis. A paresia química criada pela toxina botulínica elimina a contração muscular e assim reduz as rugas e depressões dinâmicas.

A. Terço superior da face

1. Os sulcos glabelares são produzidos pelas contrações dos músculos prócero, corrugador do supercílio e das fibras mediais do orbicular do olho.

2. Em geral, 5-7 pontos são injetados na glabela/supercílio medial (2,5-4 U por injeção), totalizando 20-25 unidades de Botox.

3. A desnervação química pode estender-se por até 6 meses.

4. Ptose transitória é a complicação mais significativa e pode ocorrer em até 5% dos pacientes.

5. Uma elevação "química" do supercílio pode ocorrer pela ação livre do músculo frontal, em decorrência da paralisia dos depressores do supercílio.

B. Linhas frontais horizontais

1. O músculo frontal é responsável pelas linhas frontais horizontais.

2. Em geral, 4-8 pontos são injetados na fronte, cerca de 2-3 cm acima das rimas orbitais.

3. O paciente pode ter ptose superciliar se o músculo frontal for injetado em excesso. Além disso, a injeção lateral à linha mesopupilar pode causar ptose do supercílio lateral ou da pálpebra (ou de ambos) e produzir um aspecto de cansaço.

C. "Pés-de-galinha" perioculares

1. Os pés-de-galinha são causados pela contração dos músculos orbicular do olho, risório e zigomáticos.

2. O músculo orbicular lateral é injetado em 1-4 pontos, totalizando 5-15 U de Botox.

3. Evitar injetar muito profundamente para prevenir paralisia dos músculos extra-oculares.

D. Terço intermediário da face

1. As rugas verticais dos lábios são causadas pela contração do músculo orbicular da boca.

2. A injeção de 1-2 U de Botox em cada ruga pode atenuar as rugas periorais.

3. Limitar a aplicação a 2 U de Botox de cada lado. Tratar apenas 2-3 rugas de cada vez.

E. Linhas de marionete

1. As rugas do franzimento das sobrancelhas melhoram com a injeção nos músculos depressores dos ângulos da boca.

2. As injeções no platisma também são úteis.

3. A aplicação excessiva pode causar dificuldade para rir. A injeção nessas áreas não é recomendada especificamente para cantores e músicos.

F. Rugas mentuais: a contração excessiva do músculo mentual pode causar um queixo "seixoso ou em pedras arredondadas", que melhora com a aplicação de Botox.

G. Pregas nasolabiais

1. A injeção para paralisar o músculo zigomático maior não tem conseguido resultados consistentes.

2. A injeção do músculo elevador das asas do nariz pode suavizar a prega nasolabial medial.

VII. Efeitos adversos

A. Não existem relatos de reações alérgicas aos procedimentos estéticos faciais com Botox.

B. As equimoses transitórias podem ser atenuadas com a utilização de uma agulha calibre 30 e aplicação de pressão depois das injeções.

VIII. Contra-indicações

A. Não existem relatos de teratogenicidade associada à toxina botulínica.

B. A maioria dos médicos não injeta em gestantes ou mulheres que estejam amamentando.

C. História de doença neuromuscular é uma contra-indicação.

D. Sensibilidade conhecida à albumina humana é uma contra-indicação.

E. Os aminoglicosídeos podem potencializar os efeitos do Botox.

F. As áreas com infecção em atividade não devem ser injetadas.

Copyright © 2011 Bibliomed, Inc. 11 de Agosto de 2011



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: