Publicidade

Artigos de saúde

Crianças e adolescentes podem fazer musculação?

Pedro Póvoa
Graduando em Educação Física no Centro Universitário Plínio Leite
Niterói/RJ - 2006

Nos últimos 10 anos, nota-se uma tendência maior a adesão de crianças e adolescentes à sala de musculação. O motivo provável para essa situação talvez seja a busca constante por qualidade de vida e a influência estética que permeia a prática, pois nessa fase da vida (não apenas nessa), os indivíduos sofrem grande influência da mídia e padrões sociais pré-estabelecidos, onde é preconizado o corpo forte ao invés do corpo saudável.

É comum ver adolescentes obcecados por corpos fortes e bonitos, onde os mesmos não medem esforços e nem avaliam as conseqüências para alguns atos, como o uso de anabolizantes e suplementos alimentares não recomendados por médicos ou nutricionistas, e não regulamentados pela ANVISA. É importante frisar também, que uma dieta bem elaborada é essencial para a saúde e principalmente para as demandas energéticas solicitadas na musculação.

Muitos dos benefícios do treinamento de força na fase infanto-juvenil ainda são desconhecidos pela população leiga (principalmente os pais) e muitos dogmas ainda são sustentados por profissionais desatualizados, que afirmam que a musculação interrompe o crescimento, faz mal a saúde nessa faixa etária, entre outros.

Segundo o posicionamento da National Strength and Conditioning Association, da American Orthopedic Society for Sports Medicine, e da American Academy of Pediatrics, os principais benefícios do treinamento de força, em pré-puberes e adolescentes são:

- Aumento da força muscular, potência e resistência muscular localizada (a capacidade de um músculo ou músculos de realizar múltiplas repetições contra uma dada resistência).

- Diminuição de lesões nos esportes e nas atividades recreativas.

- Melhora do desempenho nos esportes e nas atividades recreativas.

Evidências científicas demonstram também, ganhos na densidade mineral óssea de crianças e adolescentes que praticam a musculação, evitando assim o surgimento posterior de doenças ósseas, como exemplo a osteoporose.

Os ganhos com a prática da musculação são muitos, porém o treinamento de força não deve enfatizar o levantamento de cargas máximas ou sub-máximas, e sim salientar a perfeita realização técnica do movimento.

Portanto podemos ver como esse grupo especial pode beneficiar-se do treinamento de força, que por se tratar de crianças e adolescentes, necessitam de um maior acompanhamento de um profissional habilitado, para a orientação e monitoramento das atividades, deixando de fora os possíveis riscos aliados ao treino mal orientado, dando assim ênfase apenas aos benefícios que a prática pode trazer, que não são poucos.

PALAVRAS-CHAVE: musculação, exercício, crianças, adolescentes, crescimento, anabolizantes.

Referência:

Fundamentos do Treinamento de Força Muscular / Steven J. Fleck, William J. Kraemer, - 3. ed. – Porto Alegre : Artmed, 2006.

National Strength and Conditioning Association, 1996, Naughton et al., 2000

Copyright © 2006 Bibliomed, Inc. 04 de Setembro de 2006.



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: