Artigos de saúde

Parto Prematuro

© Equipe Editorial Bibliomed

Neste artigo:

- Introdução
- Causas
- Grupo de risco
- Como identificar um parto prematuro?
- Conduta terapêutica
- O que pode ser feito para proteger a criança?
- Prevenção

Introdução

Uma gravidez considerada normal é aquela que dura de 37 semanas completas a 42 semanas incompletas, dando à luz um recém-nascido chamado "a termo". Quando a gestação dura mais de 20 semanas e menos de 37 semanas, o parto é denominado prematuro (ou pré-termo). Acredita-se que mais ou menos 12% dos partos são prematuros, sendo que na grande maioria dos casos o trabalho de parto é espontâneo ou devido à ruptura prematura das membranas amnióticas.

Caso o parto prematuro não seja interrompido, o recém-nascido apresenta um aumento do risco de várias complicações, devidas principalmente ao fato de que nem todos os órgãos estão completamente formados. Assim, o nascimento prematuro é uma grande causa de complicações e morte nessas crianças.

Causas

Em grande parte dos casos, é bastante difícil a determinação da causa do parto prematuro, sendo que as causas possíveis podem encaixar-se nas seguintes situações:

- Sangramento uterino: ocorre devido a alterações da placenta, podendo fazer com que as membranas amnióticas se rompam precocemente.

- Distensão uterina em excesso: em gestações múltiplas (gêmeos) ou que apresentam grande produção de líquido amniótico (chamado de "polihidrâmnio"), o útero aumenta muito de volume, o que pode levar à produção de substâncias que induzem as contrações.

- Estresse psicológico ou físico: podem levar à liberação de hormônios que estimulam as contrações.

Infecções ou inflamação: o mecanismo é semelhante aos acima, com produção de substâncias que induzem as contrações.

Dessa forma, percebe-se a importância do acompanhamento pré-natal, pois permite a identificação da grande maioria das causas de parto prematuro. Isso torna possível a implantação de medidas preventivas e, além disso, o médico pode orientar a gestante em como ela deve proceder na presença de alguma complicação.

Grupo de risco

Sabe-se que alguns fatores e condições patológicas podem aumentar o risco de uma gestante apresentar parto prematuro, porém muitos partos prematuros ocorrem em mulheres sem nenhum desses fatores de risco. Assim, geralmente é difícil prever quem apresentará parto prematuro. No entanto, nas pacientes com tais fatores, o médico realizará um acompanhamento mais cuidadoso durante o pré-natal.

O fator que mais aumenta o risco de parto prematuro é quando a mulher já teve um parto pré-termo em gestação anterior. Outros fatores de risco seriam:

- Tabagismo;
- Mulheres com peso mais baixo antes da gestação e aquelas que ganham pouco peso durante a gravidez;
- Passado de cirurgia do colo uterino;
- Anormalidades anatômicas do útero;
- Anemia grave;
- Cirurgia do abdome durante a gravidez;
- Uso de drogas ilícitas, como a cocaína.;
- Curto intervalo de tempo entre duas gestações;

Importante lembrar que a idade da mulher, por si só, não aumenta o risco de parto prematuro, porém as pacientes mais velhas, frequentemente, apresentam outros fatores de risco.

Como identificar um parto prematuro?

O trabalho de parto prematuro apresenta as mesmas características do trabalho de parto a termo. Elas incluem:

- Mudança no tipo e na quantidade de secreção vaginal;
- Dor abdominal inferior;
- Dor nas costas constante;
- Cólicas abdominais;
- Contrações uterinas regulares ou frequentes (que podem não ser dolorosas);
- Ruptura das membranas;

Vale lembrar das contrações de Braxton-Hicks. Essas contrações não indicam trabalho de parto, e não aumentam o risco de parto prematuro, sendo normais ao final da gravidez. Elas ocorrem mais espaçadas e não são acompanhadas de sangramento ou corrimento vaginal. Normalmente, elas melhoram quando a mulher fica em repouso.

Na presença dos sinais acima, procure a maternidade de referência e/ou entre em contato com o médico responsável pelo acompanhamento pré-natal, principalmente se você apresentar mais de 6 contrações a cada hora, acompanhadas de corrimento/sangramento vaginal, e que não melhoram com o repouso.

Conduta médica

Normalmente é difícil interromper o parto prematuro, mas isso pode ser feito com medicamentos que ajudam a relaxar a musculatura do útero, prevenindo a ocorrência de contrações. O principal objetivo é adiar o trabalho de parto pelo menos até que possam ser utilizados medicamentos que aceleram a maturação dos pulmões do feto, reduzindo o risco de que o recém-nascido apresente dificuldade de respiração.

Esse tratamento, geralmente, é realizado quando a gestação tem menos de 34 semanas. Caso a gestação tenha mais que 34 semanas e/ou a saúde da mãe e da criança sejam ameaçadas pela continuação da gestação, o parto prematuro é permitido. Além dessas situações, quando os exames demonstram que os pulmões do feto estão bem desenvolvidos, o parto não é interrompido.

A paciente é geralmente internada para observação enquanto os medicamentos são administrados.

O que pode ser feito para proteger a criança?

Uma das estratégias mais indicadas é o uso de corticosteróides, que são medicamentos capazes de acelerar a maturação dos pulmões fetais, reduzir o risco de sangramento no cérebro da criança e também de outras complicações. Esses medicamentos são indicados nos casos de gestações entre 24 e 34 semanas de duração. Após o nascimento, os cuidados na sala de parto são essenciais para a prevenção de complicações neonatais.

Prevenção

O mais importante na prevenção do parto prematuro é a realização de acompanhamento pré-natal adequado. Além disso, a interrupção de hábitos como o tabagismo e o uso de drogas ilícitas é de extrema importância.

Copyright © 2019 Bibliomed, Inc. 10 de julho de 2019