Publicidade

Artigos de saúde

Síndrome do Pânico e ansiedade

Equipe Editorial Bibliomed

Neste artigo:

- Introdução
- Tipos de distúrbio de ansiedade
- Como e porque ocorrem?
- Como são diagnosticados?
- Como são tratados?
- Quando procurar ajuda?

"Todos nós temos momentos de nervosismo ou preocupação, o que é normal. Mas quando esses sentimentos se tornam muito freqüentes pode haver algo errado. Há vários tipos de distúrbios de ansiedade, e usualmente incluem medo excessivo, pânico e temor que atrapalham na realização das tarefas do dia a dia".

Introdução

Todos nós temos momentos que nos sentimos nervosos, chateados ou preocupados com alguma coisa. Isso é normal. Entretanto, quando o nervosismo ocorre quase diariamente ou muitas vezes durante uma semana, você pode estar apresentando um distúrbio de ansiedade. O distúrbio de ansiedade não é limitado ao nervosismo, apreensão, ou "borboletas" no estômago. Os distúrbios de ansiedade usualmente incluem medo excessivo, pânico, e temor que atrapalham na realização das atividades diárias.

Existem muitos tipos de distúrbios de ansiedade, e podem aparecer sozinhos ou em associação. Um distúrbio de ansiedade é um problema médico e psiquiátrico que deve ser tratado.

Tipos de distúrbios de ansiedade:

  • Distúrbio de ansiedade devido a uma condição médica geral. Problemas como ansiedade e nervosismo podem se iniciar devido a problemas físicos. Muitas condições médicas tais como desequilíbrio hormonal, problemas respiratórios e problemas cardíacos podem causar ansiedade.
     
  • Distúrbio de ansiedade generalizado. Neste distúrbio a ansiedade e a preocupação interferem nas atividades diárias todos os dias ou quase todos os dias por seis meses ou mais. Pode causar sintomas físicos como dor de cabeça, dor nas costas, alteração intestinal ou no estômago. Esse distúrbio também pode ocorrer em crianças.
  • Distúrbio do pânico. Quando ataques de pânico ocorrem sem aviso, ou de maneira repetitiva sem explicação, isso se chama distúrbio do pânico. As pessoas, com distúrbio do pânico, são acometidas de um mal-estar terrível, sentem falta de ar, taquicardia, tremores e tem a nítida impressão de que estão morrendo com um grave problema no coração. Esses ataques podem ocorrer muitas vezes durante o dia ou durante toda a semana e interferem na vida profissional e pessoal.
     

As mulheres são as mais vulneráveis a doença, cerca de 75% dos casos, ainda sem causa definida. A faixa etária mais freqüente é de 20 a 35 anos. As crianças não apresentam essa patologia.

  • Fobias. O sentimento de temor ou pânico diante de certas atividades, eventos, ou objetos é chamado de fobia. Algumas fobias são muito específicas, como a agorafobia e fobia social. A agorafobia é o medo de estar em lugares em que a saída pode ser difícil, tais como estar fora da sua casa, carros, ônibus, trens ou entre uma multidão. A fobia social é o medo de eventos sociais como festas, apresentações e encontros.
     
  • Distúrbio do estresse pós-traumático. É um distúrbio de ansiedade que ocorre após um evento traumático. O evento usualmente envolve risco de danos graves, morte, ou ameaças graves, como em assaltos violentos, seqüestros, abuso sexual, desastres naturais, acidentes, combates militares, etc. Ele ocorre quando a ansiedade relacionada com o evento traumático persiste por longo período. Pode ocorrer em todas as idades, incluindo crianças e adolescentes.

Parece que as mulheres são mais propensas do que os homens para desenvolverem o distúrbio do estresse pós-traumático. Pessoas que sofreram abuso sexual durante a infância ou tiveram outras experiências traumáticas têm também maior chance de desenvolver o distúrbio do estresse pós-traumático. Alguns pesquisadores do assunto acreditam que as pessoas que se apresentam mais "anestesiadas" emocionalmente após um trauma podem ser mais propensas a desenvolver esse distúrbio.

Muitas pessoas com esse distúrbio podem experimentar repetidamente o evento traumático na forma de memórias, pesadelos, ou pensamentos assustadores, especialmente quando são expostos a eventos ou objetos que relembram o trauma. Aniversários do evento também podem desencadear os sintomas.

  • Distúrbio de ansiedade induzido por substâncias. Drogas como o álcool, cocaína, sedativos, e anfetaminas podem causar ataques graves de ansiedade, nervosismo e preocupação constantes. A interrupção do uso da droga por algumas semanas usualmente reduz os sintomas drasticamente.

Como e porque ocorrem?

Os distúrbios de ansiedade causados por um problema médico ou abuso de substâncias podem se iniciar em qualquer idade. Outros distúrbios de ansiedade usualmente se iniciam mais tardiamente na infância ou em adultos jovens. Muitos deles podem aparecer lentamente em semanas ou meses, mas eles podem também aparecer subitamente. Um grande evento traumático pode ser um gatilho para desencadear um distúrbio de ansiedade.

A causa exata da ansiedade não é conhecida. Pode haver níveis anormais de substâncias químicas que o sistema nervoso utiliza para mandar e receber sinais do cérebro. A ansiedade também pode resultar de como o cérebro usa essas substâncias para mandar e receber os sinais de outras partes do corpo.

Pessoas com o distúrbio do estresse pós-traumático, por exemplo, tendem a ter níveis anormais dos hormônios envolvidos na resposta ao estresse. Quando uma pessoa está em perigo, são produzidos altos níveis de opióides naturais, que podem temporariamente mascarar a dor. Cientistas têm descoberto que pessoas com distúrbio de estresse pós-traumático podem produzir níveis elevados dessas substâncias mesmo após o perigo ter cessado, podendo levar aos sintomas associados com essa condição.

Estudos em animais e humanos têm apontado para áreas e circuitos específicos do cérebro envolvendo a ansiedade e o medo, o que pode ser importante para entendermos os distúrbios de ansiedade.

Os problemas de ansiedade podem ser hereditários. No caso do distúrbio do pânico, por exemplo, 40% dos filhos de um dos pais portadores do distúrbio do pânico, e 80% dos filhos de um casal com distúrbio do pânico vão ter a patologia. Eventos e circunstâncias estressantes na vida também podem participar da sua gênese. Relacionamentos e atividades instáveis podem tornar uma pessoa mais propensa a desenvolver esses distúrbios. Assim como uma dieta precária e a falta de exercícios físicos diários.

É comum a associação de ansiedade e depressão. E ambos devem ser avaliados e tratados adequadamente.

Como são diagnosticados?

O clínico ou o psiquiatra pode dizer se os sintomas que você apresenta são causados por um distúrbio de ansiedade. Devem ser realizados alguns exames laboratoriais para descartar alguns problemas médicos como o desequilíbrio hormonal e problemas cardíacos. Porém não há exames laboratoriais para diagnosticar diretamente os distúrbios de ansiedade.

Como são tratados?

A ansiedade pode usualmente ser tratada com sucesso através de psicoterapia, medicamentos, ou ambos. O tratamento deve ser discutido com seu médico. Dentro os medicamentos que podem ser usados estão os ansiolíticos e os antidepressivos. O tratamento mais apropriado irá depender do tipo de distúrbio de ansiedade, assim como tempo do tratamento.

Alguns distúrbios de ansiedade podem durar pequenos períodos de tempo, enquanto outros poderão ocorrer durante toda a vida, exigindo assim um tratamento prolongado.

Quando procurar ajuda?

Não tente resolver o distúrbio de ansiedade sozinho. Procure ajuda profissional assim que perceber qualquer sintoma de ansiedade. Pois, com o tratamento adequado, as pessoas podem voltar a ter uma vida normal e com qualidade.

Copyright © 2007 Bibliomed, Inc.                                        Revisado em 26 de março de 2007



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: