Publicidade

Artigos de saúde

Febre Reumática - uma doença originada após uma infecção de garganta

Neste artigo:

- Introdução
- A doença
- O tratamento
- As seqüelas na saúde e o impacto econômico-social
- A importância da prevenção
- Veja Outros Artigos Relacionados ao Tema

"A Febre Reumática (FR) é uma doença inflamatória que ocorre algumas semanas após uma infecção de garganta por uma bactéria (estreptococo do grupo de A de Lancefield), em indivíduos predispostos (por mecanismos genéticos e ou imunes ainda não claramente estabelecidos). É mais freqüente entre 5 e 15 anos de idade."

Introdução

Em nosso meio e em outros países em desenvolvimento, é a causa mais comum de cardiopatia no adulto jovem (aproximadamente 40% das cirurgias cardíacas no Brasil são conseqüentes a Febre Reumática), sendo um problema de saúde pública, reduzindo a expectativa de vida e gerando impactos financeiros na família e na sociedade. A doença se manifesta em crianças de qualquer classe econômica, mas é mais freqüente em condições de superpopulação e de higiene precária, que predispõem a infecções. Nestas condições, sua incidência se aproxima de 100 ocorrências para cada 100.000 crianças.

Estima-se que, no Brasil ocorram, a cada ano, 6 milhões de infecções de garganta por estreptococos, sendo que 18.000 provocam Febre Reumática aguda (0,3% do total) e seis mil (um terço) deixam seqüelas de cardiopatia reumática crônica.

A doença

O ataque agudo da Febre Reumática geralmente pode durar até 3 meses e tem uma clínica muito variável. Devido a essas variações e às graves conseqüências que a doença pode trazer, existem critérios determinados para se fazer seu diagnóstico.

Os critérios menores são dor articular, febre, exame de sangue mostrando aumento da Velocidade de Hemossedimentação (VHS) ou da Proteína C Reativa (PCR) e alterações no eletrocardiograma. Os critérios maiores são cardite, poliartrite, coréia de Sydenhan, nódulos subcutâneos e eritema marginado.

A cardite (acometimento do coração) é o pior aspecto da doença, sendo o maior responsável pelas seqüelas e pela necessidade de acompanhamento futuro. A cardite pode estar ausente ou variar desde aceleração do pulso, passando por sopros e alterações no eletrocardiograma, até insuficiência cardíaca que provocar inchaço nas pernas e falta de ar. Uma vez ocorrida, pode curar totalmente ou deixar seqüelas em forma de lesões das válvulas cardíacas (sopros). Dependendo da intensidade, a lesão da válvula exige que o paciente seja submetido a uma cirurgia para restaurar (valvuloplastia) ou para trocá-la por uma prótese.

A poliartrite é assimétrica e muda (a cada um ou até cinco dias) de uma articulação para outra, acometendo principalmente tornozelos, joelhos, punhos e cotovelos. Mesmo sem tratamento, a artrite cura em no máximo 4 semanas, sem deixar seqüelas. Se tratada, desaparece em dois dias. A Coréia de Sydenhan é uma manifestação típica da doença e ocorre principalmente em mulheres. Aparece aos poucos, com alterações da atenção, comportamento, fala ou escrita, e evolui para movimentos involuntários, desordenados e sem finalidade, que podem, em alguns casos, atrapalhar os movimentos voluntários (inclusive a marcha). Ela melhora com repouso.

Os nódulos subcutâneos são como pequenos caroços, indolores, sob a pele, que geralmente aparecem agrupados. São pouco freqüentes. O eritema marginado também é raro, e consiste de lesões típicas na pele, que ocorrem principalmente no tronco.

O diagnóstico da Febre Reumática é feito quando existem dois critérios maiores ou um maior e dois menores, havendo evidências de que a criança sofreu uma infecção pelo estreptococo. A existência da Coréia, independentemente de outros fatores, é suficiente para o diagnóstico.

O tratamento

O tratamento da doença aguda varia de acordo com os sintomas apresentados por cada paciente. Basicamente, deve-se administrar antibióticos para combater o estreptococo e manter repouso, acrescentando medicamentos para tratamento dos sintomas específicos. A pessoa que já sofreu um episódio de Febre Reumática corre mais risco de sofrer novos episódios, sendo que este risco é maior quanto menor for o tempo decorrido do último episódio, e é máximo durante os primeiros cinco anos. Cada recidiva aumenta a lesão do coração, aumentando as seqüelas e o risco de morte pela doença. Por esse motivo, o paciente deve receber a chamada "profilaxia secundária", que deve ser iniciada assim que diagnosticada a Febre Reumática.

A profilaxia secundária consiste da administração de Penicilina Benzatina, por um tempo que varia de acordo com a gravidade e com a idade de ocorrência da doença inicial (pessoas mais jovens têm maior risco de uma nova infecção pelo estreptococo).

Como a Penicilina Benzatina pode provocar reações alérgicas, é recomendável que a aplicação seja em local com equipamento e medicamentos suficientes para intervenção imediata em caso de choque anafilático, que é raro, mas pode ocorrer. Todos os Postos de Saúde devem ter material e pessoal treinado para estes casos. O "teste da benzetacil", outrora recomendado, atualmente não é mais indicado pelo fato de que a reação alérgica pode ocorrer em quem não tem história de alergia prévia, e ocorre independentemente da quantidade da droga administrada, de forma que o próprio teste pode provocá-la.

Infelizmente, mesmo seguindo a profilaxia adequada, 20% dos pacientes sofre recidiva. Deve-se, portanto, fazer um acompanhamento médico periódico, que serve para avaliar o tratamento, a existência de uma possível recidiva e a evolução das seqüelas porventura deixadas pela doença.

Além da profilaxia para Febre Reumática, as crianças com lesões das válvulas do coração conseqüentes à doença devem ainda receber profilaxia para endocardite infecciosa, uma grave infecção bacteriana que ocorre no coração. Os pacientes que precisarem ser submetidos a uma troca da válvula têm evoluções diferentes, de acordo com as próteses instaladas.

As seqüelas na saúde e o impacto econômico-social

As complicações conseqüentes à febre reumática são várias e graves. Em uma pesquisa envolvendo 44 crianças com menos de 12 anos submetidas à troca da válvula no INCOR - São Paulo, entre 1986 e 1992, 40 (91 %) tinham lesões nas válvulas conseqüentes à doença reumática e 6 (13.6 %) apresentavam também alterações no ritmo cardíaco devido a essas alterações.Em 10 anos, 18% dos pacientes estavam mortos e apenas 20% do total não haviam sido submetidos a uma nova cirurgia para trocar novamente a válvula.

Além de terem uma redução na expectativa de vida, os pacientes que sofrem da doença passam por inúmeras consultas, acompanhamento e tratamento permanente e, nos casos mais graves, internações e cirurgias, que ficam caros para a família ou para o sistema público de saúde. Em um estudo realizado com 100 crianças e adolescentes com febre reumática acompanhados no serviço de Pediatria da Escola Paulista de Medicina, houve 22 casos de repetência e perda de diversos dias de aula, sendo que 11 ainda apresentaram recidiva da doença. Os pais, que eram principalmente de níveis sócio-econômicos mais baixos, perderam dias de trabalho, e cerca de 5% perderam o emprego.

A importância da prevenção

Os inúmeros prejuízos gerados por esta doença são reduzidos por uma prevenção adequada, que inclui esclarecimentos sobre a doença, melhorias nas condições de vida da população carente, diagnósticos precoces e tratamento adequado da infecção por estreptococos. Como precaução, leve seu filho ao médico quando suspeitar de uma infecção na garganta.

Nos casos em que já houve a doença, o acompanhamento adequado e a educação sobre a necessidade e a importância da profilaxia secundária protegem 70 a 80% dos pacientes, sendo as formas mais eficazes de melhorar a qualidade de vida e impedir maiores complicações futuras.

Copyright © 2002 Bibliomed, Inc.                  18 de Janeiro de 2002


Artigos relacionados com esse tema:

Organização Mundial de Saúde Intensifica Combate à Febre Reumática

Amigdalite: A Dor de Garganta que Precisa ser Tratada



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: