Publicidade

Artigos de saúde

Desmistificando o Prozac

Neste Artigo:

Função do Prozac
Entrevista com Dr. Cyro Masci
Precauções
Veja Outros Artigos Relacionados ao Tema

"De tempos em tempos, surge uma nova droga ‘milagrosa’ para aliviar nossas dores e nossos desconfortos físicos ou mentais. Recentemente, o lançamento do Prozac chegou a fazer furor entre a população, no que toca à cura das depressões. É muito importante saber, portanto, como funciona a química no nosso cérebro, o que causa a depressão e como o Prozac atua. Também é importante saber das contra-indicações e participar mais ativamente, junto ao médico, da escolha do tratamento caso o remédio seja prescrito. Felizmente, hoje em dia, um remédio não tem seu funcionamento restrito apenas à comunidade médica. Existem muitas informações a respeito deles, algumas fornecidas pelos próprios laboratórios fabricantes, outras por médicos e cientistas que se dispõem a falar em linguagem acessível ao público leigo. Para entender um pouco sobre o Prozac, vamos ver o que diz o Dr. Cyro Masci, médico psiquiatra brasileiro".

Função do Prozac

O Prozac é um remédio que contém fluoxetina, indicado, segundo o fabricante, para o tratamento da depressão. Ele é também receitado para tratar distúrbios de ordem obsessiva-compulsiva e bulimia nervosa.

Embora não se conheça tudo sobre a depressão, já se sabe pelo menos que ela ocorre quando há um desequilíbrio entre os neurotransmissores do cérebro. Isso é explicado mais adiante pelo Dr. Cyro Masci. Em síntese, porém, os neurotransmissores permitem que as células no cérebro se comuniquem umas com as outras. Havendo desequilíbrio na quantidade de serotonina, um neurotransmissor, a depressão pode ocorrer ou se acentuar.

O Prozac tem como função aumentar a própria produção de serotonina do cérebro, segundo o laboratório. Este alerta que não se pode dizer que o remédio ‘cura’ a depressão, mas que ajuda a controlar os sintomas, permitindo à pessoa maior bem-estar.

Entrevista com Dr. Cyro Masci

O Dr. Cyro Masci, médico psiquiatra, autor de "A Hora da Virada", com clínica em São Bernardo do Campo, Grande São Paulo, em entrevista exclusiva para o BoaSaúde respondeu, por E-mail, às seguintes perguntas:

BoaSaúde: Prozac - qual é a sua composição e como ele atua no cérebro?

Dr. Masci:
O nome do sal do Prozac é a fluoxetina. Ele atua como um inibidor específico de recaptação de serotonina e, na verdade, foi o primeiro dessa linha há aproximadamente 20 anos. Isso acontece da seguinte forma: as células do sistema nervoso nunca se "encostam", isto é, existe um espaço entre elas. Sendo assim, como então elas se comunicam? Através de substâncias químicas que são liberadas, os chamados neurotransmissores. No geral, um neurotransmissor é liberado, encaixa-se como uma chave-de-fenda numa fechadura, na outra célula (e, nesse momento, ‘se comunicando’ com essa outra célula). Assim ele é novamente reabsorvido, ou, como nós costumamos dizer, é recaptado pelo neurônio que o liberou. A fluoxetina inibe exatamente essa recaptação do neurotransmissor serotonina, que participa de modo importante nas áreas cerebrais responsáveis pelas emoções.

BoaSaúde: Quando e por que ele é indicado, e quando e por que ele é contra-indicado?

Dr. Masci:
Inicialmente, a fluoxetina foi indicada para depressões, e por isso ficou conhecida como antidepressivo. Com o tempo, observou-se que ela atua também em transtornos de ansiedade, como o pânico e as fobias, além de agir nos sintomas de tensão pré-menstrual. A fluoxetina é uma medicação controlada, só pode ser vendida com receita especial de médico. Ela é contra-indicada em pacientes que estão fazendo uso de outro tipo de medicação psiquiátrica, os inibidores de mono-amino-oxidase, já que a reação pode ser muito perigosa.

BoaSaúde: Esse tipo de medicamento provoca que tipo de reações ou efeitos colaterais?

Dr. Masci:
Entre os principais efeitos indesejáveis da fluoxetina estão: erupções de pele, dores de cabeça, alterações do peso e apetite, perturbações digestivas, calafrios e transtornos na área da sexualidade, seja na forma de impotência, seja no retardo do orgasmo.

BoaSaúde: Com que freqüência as pessoas pedem para usá-lo? Mais homens, ou mais mulheres?

Dr. Masci: Na minha experiência, não tenho tido grande procura especificamente por esse produto. As pessoas que me procuram desejam uma solução para seus problemas, e não a prescrição deste ou daquele remédio.

BoaSaúde: Qual é a reação das pessoas após um tempo de uso? E caso ele seja retirado subitamente?

Dr. Masci:
A fluoxetina não é um "calmante" no sentido popular. Isso significa que ele não causa dependência, não exige aumento progressivo da dose para alcançar os mesmos efeitos. A retirada deve ser sempre cautelosa, feita exclusivamente pelo médico, que em geral o faz de modo gradual, nunca retirando a medicação de modo abrupto.

BoaSaúde: Há algum substituto natural para esse remédio?

Dr. Masci:
Não. Mesmo o Hypericum perfuratum, que é uma erva, age de outro modo, como inibidor de mono-amino-oxidase, e não deve ser administrado em conjunto com a fluoxetina.

BoaSaúde: Com que idade a pessoa pode - e não pode - usar o Prozac?

Dr. Masci:
Exceto as crianças, que só usam em condições muito excepcionais, a fluoxetina pode ser usada em qualquer idade, mas sempre sob cuidados de um médico, já que a dose pode variar de 5 até 60 mg.

BoaSaúde: O prozac provoca loquacidade (tendência a ‘fazer discursos’) em algumas pessoas. Por que? O que mais provoca?

Dr. Masci:
Essa loquacidade é uma forma de excitação que muitos antidepressivos, incluindo a fluoxetina, podem causar. Em pessoas predispostas, qualquer antidepressivo pode desencadear sintomas de mania, do transtorno bipolar.

BoaSaúde: Que outro tratamento pode substituí-lo?

Dr. Masci:
Tanto em transtornos de depressão quanto de ansiedade, há vários estudos que comparam a ação de medicamentos com formas modernas de psicoterapia, em especial a comportamental cognitiva. A maioria dos estudos indica que os melhores resultados no tratamento são obtidos com uma combinação desses fatores, e não com sua exclusão. O que deve ser evitado é a prescrição precipitada da fluoxetina para transtornos que poderiam ser resolvidos com um bom prato de canja de galinha. Em outras palavras, é preciso um grande cuidado por parte do médico na indicação de qualquer medicação psiquiátrica, incluindo a fluoxetina.

BoaSaúde: Para quem o Prozac é um medicamento caro, quais são as dicas de como ‘ser feliz’ sem ele?

Dr. Masci:
A fluoxetina não é uma pílula da felicidade. Ela atua em áreas específicas do cérebro, dentro de indicações clínicas. Fora disso, é uso indevido.

BoaSaúde: Particularmente, o senhor é a favor ou contra o uso desse tipo de remédio?

Dr. Masci:
Não existe remédio bom ou ruim, nem forte ou fraco. Existe remédio bem ou mal indicado, que resolve ou não o problema do paciente. Fora disso, é elucubração desvinculada da realidade clínica. A maior preocupação deve ser com o bem-estar da pessoa humana. Os recursos medicamentosos e não-medicamentosos são instrumentos que, em mãos hábeis, podem auxiliar pessoas. Mas são só isso: recursos.

BoaSaúde: Quando o Prozac pode ter efeito placebo?

Dr. Masci:
Sempre, todo medicamento pode atuar também como placebo.

(Nota do Boa Saúde: Diz-se do placebo para qualquer substância (até mesmo farinha de trigo) que a pessoa toma imaginando que é um remédio e o efeito se manifesta, por auto-sugestão).

Precauções

  • Não tomar este tipo de medicamento sem acompanhamento médico.

  • Evitar o medicamento em caso de crianças, pessoas de idade, amamentação, gravidez ou algum tipo de alergia.

  • Mantenha sempre todos os medicamentos fora do alcance das crianças e trancados.

Caso esteja tomando o remédio:

  • Não modificar para mais ou para menos a dosagem prescrita pelo médico.

  • Fazer um relatório para si mesmo de como está se sentindo, dia após dia, e mostrá-lo ao médico. A anotação das sensações é importante. No consultório, muitas coisas acabam sendo esquecidas e não são relatadas pelo paciente.

  • Anotar qualquer efeito colateral que possa ocorrer. Mas não se ‘programar’ interiormente para ter esses efeitos colaterais. Se o seu médico lhe indicou o remédio, não coloque sua auto-sugestão, mas deixe que ele atue e simplesmente anote os resultados.

Copyright © 2000 eHealth Latin America 13 de Setembro de 2000


Artigos relacionados com esse tema:

Crianças Pré-Escolares nos Estados Unidos estão Usando mais Psicofármacos

A Depressão e a Neurose na Terceira Idade

Bulimia: Qual o Melhor Tratamento?

Depressão: Visões Diferentes do Mesmo Fenômeno



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: