Publicidade

Artigos de saúde

Jet Lag - O Que é? Porque Surge?

Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Jet lag?
- Sintomas
- Tratamento

Após mais de meio dia voando para a Europa, o turista deslumbra-se com a possibilidade de explorar o fascinante continente. Faz planos, consulta seus folders, imaginando-se em todos os pontos turísticos. Porém, mal chega ao hotel, sente-se fatigado – mais do que acreditaria ser o normal após uma longa viagem.

Falta-lhe motivação para acompanhar o roteiro, a cefaléia e o cansaço incomodam-lhe tanto durante todo o tempo que, ao retornar – sem ter aproveitado muito mais da viagem além da cama do hotel e alguns analgésicos e miorrelaxantes –, ele procura seu médico e relata o acontecido.

"Será a idade ou o coração, doutor?". O diagnóstico mais ouvido é: a viagem lhe estressou. O diagnóstico mais científico: o paciente sofreu de Jet lag.

Jet lag?

Traduzido ao pé da letra, significa algo como "atraso do jato". A principal – mas não a única – causa de Jet Lag é o cruzamento dos fusos horários. A necessidade de sincronizar novamente os relógios endógenos estressa o corpo - a mudança de horários interrompe o ritmo circadiano, afetando a temperatura corporal, o ritmo cardíaco, os níveis pressóricos arteriais e padrões de comportamento.

Os sintomas de Jet Lag são um fator importante na performance de executivos, desportistas e turistas em geral. Calcula-se que 94% dos passageiros e 96% dos atendentes de vôo, em viagens de longa duração sejam acometidos pelo Jet Lag. Mas nem todos apresentam o mesmo grau de desconforto.

Viagens para o Leste geralmente são piores que para Oeste. Crianças com menos de 3 anos de idade não parecem sofrer de Jet Lag. Da mesma forma, os sintomas são menos intensos em adultos, mais acostumados a se adaptar a mudanças na rotina.

Sintomas

Podem durar dias após a chegada. Fadiga, cefaléia, falta de motivação e dificuldade de concentração (especialmente para qualquer atividade que demande esforço ou habilidade, como dirigir, ler ou discutir um acordo de negócios) são os mais comuns. Distúrbios do sono, como insônia, são freqüentes – estudos da NASA indicam que necessitamos de um dia de adaptação do ritmo circadiano para cada fuso horário que ultrapassamos.

Em altitudes de cruzeiro – cerca de 10.000 metros – a cabine é pressurizada em cerca de 2.300 metros (8.000 pés). Se você vive em altitudes como essa e está acostumado a esta pressão, não terá problemas. Do contrário, pode ocorrer edema em extremidades, astenia e letargia.

Desorientação e comportamento irascível também podem ocorrer: é comum o paciente retornar três ou mais vezes para confirmar se deixou a porta do quarto fechada ou não – e não ver graça alguma nisso.

Além disso, os sintomas são agravados por algumas características inerentes a uma viagem prolongada: a desidratação pode causar cefaléia, ressecamento e irritação da mucosa nasal – predispondo a resfriados, gripes e outras viroses presentes no ambiente pressurizado do avião.

A posição das pernas pode levar a edema – algumas vezes acentuado o bastante para impedir o uso de alguns calçados por até 24 horas.

Tratamento

Além das dicas profiláticas de comportamento antes e durante o vôo, algumas outras medidas devem ser consideradas:

a) Homeopatia: existem diversos remédios homeopáticos que podem ser úteis (algumas companhias aéreas oferecem um medicamento chamado No-Jet-lag, que pode ser utilizado sem grandes contra-indicações).

b) Melatonina: A melatonina é um hormônio produzido pela hipófise e está firmemente relacionada à determinação do ritmo circadiano no corpo – ainda que estes mecanismos não tenham sido inteiramente compreendidos.

Seu uso no tratamento do Jet Lag é controverso. Um trabalho realizado na Noruega não encontrou diferenças entre o uso de pílulas contendo 5 mg e 0,5 mg de melatonina e placebos.

Em contrapartida, outros estudos mostraram bons índices de sucesso utilizando melatonina, mas existem reservas quanto à possibilidade de efeitos a longo prazo. A dose exata a ser utilizada também é controversa. Os horários das tomadas parecem não ser importantes, mas o uso incorreto pode piorar os sintomas.

c) Pílulas para dormir: não são aconselhadas. Podem induzir a estados comatosos com redução dos movimentos naturais do corpo durante o sono, favorecendo a formação de trombos nas extremidades e aumentando o risco de tromboembolismo pulmonar.

d) Terapia com luzes: controversa, complicada, via de regra cara e inconveniente. Consiste na exposição à 3.000 lux no início do dia (para quem viaja para o Leste) ou no final do dia (para quem viaja para Oeste) de chegada ao destino.

Dicas para evitar Jet Lag

- Alguns pesquisadores recomendam, se possível, nos 4 dias que antecedem a viagem, alimentar-se de acordo com o fuso horário de destino.
- Durma bem na noite anterior ao vôo.
- Beba bastante líquido durante a viagem.
- Evite café, chá, bebidas alcoólicas ou sucos de frutas (o impacto do álcool é 2-3 vezes mais potente quando se está voando).
- Peça à atendente de bordo para acionar o mecanismo de ar fresco (isto ajuda a renovar a atmosfera da cabine).
- Vá com calma na comida oferecida à bordo.
- Faça exercícios de alongamento em sua poltrona, especialmente para as pernas, e dê algumas caminhadas pelo corredor.
- Se tiver oportunidade, em algum ponto de escala, tome um banho (ajuda a relaxar).

Palavras chave: jet lag, melatonina, sono, viagens, vôo, ritmo circadiano.

Copyright © 2007 Bibliomed, Inc.                                        18 Janeiro de 2007



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: