Publicidade

Artigos de saúde

Declínio no Apetite de Crianças que ainda não estão em Idade Escolar

Características de uma criança com um declínio normal do apetite

- Aparentemente seu filho não come o suficiente, nunca tem fome, ou só alimenta-se se colocar a comida na boca dele.
- Seu filho tem entre 1 e 5 anos de idade.
- O nível de atividade de seu filho permanece inalterado.
- O crescimento do seu filho não se altera

Causas

Entre 1 e 5 anos de idade muitas crianças apresentam um ganho de peso de somente 2 a 3 quilos por ano mesmo tendo ganho cerca de 7 a 8 quilos no primeiro ano de vida. Crianças nesta idade podem passar três ou quatro meses sem apresentar qualquer ganho de peso. Uma vez que elas não crescem tão rápido, necessitam de menor quantidade de calorias e aparentam ter uma diminuição do apetite (isso é denominado "anorexia psicológica". A quantidade que uma criança decide comer é determinada pelo centro de apetite no cérebro portanto, comem a quantidade necessária para o crescimento e gastos.

Muitos pais tentam forçar seus filhos a comerem mais do que eles necessitam porque temem que pouca alimentação possa causar problemas de saúde ou deficiências de nutrientes. Isto não acontece, e a alimentação forçada causa uma diminuição do apetite.

Curso esperado (Natural)

Uma vez que permite que seu filho decida a quantidade de alimentos que deseja, o desconforto na hora das refeições e suas preocupações sobre a saúde devem desaparecer em duas ou quatro semanas. O apetite de seu filho irá aumentar enquanto ele cresce e passa a precisar de mais comida.

Ajudando uma criança com problemas de apetite a recuperar o apetite normal

1.Deixe seu filho decidir a quantidade de alimentos que deseja.

Confie no centro do apetite de seu filho. A razão mais comum para algumas crianças aparentarem não sentir fome é que eles tem tantas refeições e guloseimas que nunca sentem realmente fome. Ofereça a seu filho duas guloseimas nutritivas por dia, no máximo, e somente dê a caso solicite. Se seu filho sente sede no intervalo das refeições dê água para aliviar a sede dele. Limite a ingestão de sucos para no máximo 200 ml por dia. Deixe que sua criança fique uma ou duas refeições sem comer, caso deseje, então observe o retorno do apetite. Perder uma refeição é inofensivo.

2.Nunca dê comida a seu filho uma vez que se torne capaz de alimentar-se sozinho.

Os pais de uma criança com pouco apetite tenderão a pegar a colher do filho, enchê-la, sorrir, e tentar fazer com que seu filho a ingira, mas uma vez que já saiba usar uma colher (usualmente entre os 12 e 15 meses), deixe que ele mesmo se sirva pois sempre que estiver com fome irá alimentar-se. A alimentação forçada é a principal causa de brigas por causa da alimentação.

3.Ofereça comidas na mão do seu filho.

Comece a oferecer alimentos na mão de seu filho aos 6 ou 8 meses de idade, tais como frutas, biscoitos, legumes que permitem que se alimente, mesmo antes de ser capaz de usar uma colher.

4.Limite a ingestão de leite a cerca de 500 ml por dia.

Leite é tão calórico quanto a maioria dos alimentos sólidos. Beber leite demais pode suprimir o apetite.

5.Sirva pequenas porções de alimento - menores do que aquelas que acha que seu filho irá comer.

O apetite de seu filho é suprimido se for servido mais do que ele é capaz de comer. Se servir a seu filho uma pequena quantidade de alimento em um prato grande é mais provável que ele termine de comer e tenha um sentimento de cumprimento do dever. Se quiser mais comida, espere que peça. Evite servir alimentos que ele não goste (vegetais por exemplo).

6.Pense sobre a suplementação diária com vitaminas.

Embora as vitaminas sejam provavelmente desnecessárias, elas não são prejudiciais nas doses habituais e pode diminuir suas preocupações com a alimentação de seu filho.

7.Torne o horário das refeições agradável.

Atraia seu filho para conversas durante a refeição. Evite a transformação da hora das refeições em momentos de discussão.

8.Evite conversas sobre a alimentação.

Não discuta a quantidade de alimentos que seu filho come enquanto ele estiver por perto. Confie no centro do apetite de seu filho, ele garantirá a quantidade necessária de nutrientes. Também não elogie seu filho por comer demais. As crianças devem ter prazer ao se alimentar.

9.Não prolongue o horário da refeição.

Não force seu filho a se sentar à mesa após toda a família já ter se alimentado. Isto só irá causar o aparecimento de sentimentos negativos em relação a hora da alimentação.

10.Erros comuns.

Pais que se preocupam em demasia sobre a quantidade de alimentos ingerida pelos seus filhos podem começar a apresentar padrões irracionais de comportamento. Alguns acordam seus filhos durante a noite para lhes dar comida. Outros oferecem guloseimas com intervalos de 15 a 20 minutos durante o dia. Outros tentam fazer os filhos sentirem-se culpados, falando sobre outras crianças no mundo que não tem o que comer. Outros fazem chantagens do tipo "se não come o que eu preparo para significa que você não me ama." Alguns pais forçam que seus filhos fiquem sentados na cadeira por longos períodos após o término da refeição. O erro mais comum é pegar a colher ou garfo da criança e tentar colocar comida na boca dela.

Prevenção de brigas por causa da alimentação.

A principal maneira para se evitarem brigas ligadas à alimentação é ensinar seu filho a se alimentar o mais cedo possível. Ao completar 6 ou 8 meses, comece a incentivar seu filho a pegar alimentos com a mão, ao completar 12 meses, seu filho deverá começar a usar uma colher e ser capaz de se alimentar sozinha aos 15 meses.

Quando você alimenta seu filho (antes dele ser capaz de se alimentar), você deve esperar até que demonstre sinais de que está pronto para se alimentar (inclinar-se para a frente, por exemplo). Deixe ela ditar ritmo da alimentação (virando a cabeça, por exemplo). Não coloque comida na boca de seu filho só porque ele a abriu. Não force seu filho a esvaziar a mamadeira, terminar a papinha, ou limpar o prato.

Procure ajuda médica se:

- Seu filho perder peso.
- Seu filho não apresentar qualquer ganho de peso em seis meses.
- Seu filho apresentar sintomas de doença (diarréia ou febre, por exemplo).
- Seu filho ficar enjoado ou vomitar alguns alimentos.
- Ao aplicar estas instruções você não obtiver qualquer melhora em um mês.
- Você tiver outras preocupações ou perguntas.

Escrito por B.D. Schmitt, M.D., autor de "A saúde de seu filho," Bantam Books.



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: