Notícias de saúde

Até 23% dos pacientes internados com COVID-19 grave morrerão

11 de maio de 2021 (Bibliomed). Cerca de 23% das pessoas hospitalizadas com COVID-19 experimentam a forma mais grave da doença e cerca de uma em cada quatro delas morrerá devido às suas complicações, de acordo com um estudo da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos.

Outros 60% sofrem de sintomas "normais", mas ainda apresentam complicações graves no coração e nos pulmões que acarretam um risco de morte de 10%.  Coletivamente, os pacientes COVID-19 nessas duas categorias têm mais de sete vezes mais probabilidade de serem hospitalizados devido à doença e quase três vezes mais probabilidade de morrer por causa dela, em comparação com 17% dos pacientes com infecções leves.

Os resultados são baseados em uma análise dos registros eletrônicos de saúde de mais de 7.500 pacientes COVID-19 de 14 hospitais no meio-oeste dos Estados Unidos e 60 clínicas de atenção primária em Minnesota.

Entre esses pacientes, todos diagnosticados entre 7 de março e 25 de agosto do ano passado, pouco mais de 1.000 necessitaram de internação hospitalar e foram incluídos no estudo.

Com base nos sintomas dos pacientes, curso da doença e resultados - recuperação, alta hospitalar ou morte - os pesquisadores os classificaram em três fenótipos, ou grupos, de gravidade da doença.

Dos pacientes hospitalizados, 23% pertenciam a um grupo "adverso", o que significa que sofriam da doença mais grave. Esse grupo apresentou risco três vezes maior de complicações pulmonares e risco sete vezes maior de complicações renais em comparação com aqueles com doença mais leve.

A maioria dos pacientes do grupo tinha condições crônicas de saúde, incluindo doenças cardíacas e renais, antes da infecção e eram mais propensos a não ser brancos e não falar inglês. Desses pacientes, 27% morreram. A maior parte dos pacientes hospitalizados, cerca de 60%, experimentou o grupo II, ou progressão da doença COVID-19 "normal".

Esses pacientes ainda precisavam de tratamento significativo - tinham duas vezes mais chances de serem admitidos na unidade de terapia intensiva em comparação com aqueles com doença mais leve - e, em muitos casos, oxigênio e suporte ventilatório durante a internação.

Os 17% restantes dos pacientes tinham o grupo III, apelidado de categoria "favorável", e ainda estavam doentes o suficiente para serem hospitalizados, mas tinham as maiores chances de recuperação. Ainda assim, muitos deles experimentaram sintomas de longo prazo após a infecção, conforme evidenciado por 10% que requereram readmissão ao hospital após a alta inicial.

De acordo com os pesquisadores, basear o tratamento nas necessidades específicas do grupo pode melhorar os resultados do COVID-19. Para eles, dividir grupos de pacientes em subgrupos para tratamento é crítico durante uma pandemia, quando o tempo e os recursos são escassos, o que não só permitirá a identificação de fatores de risco, mas também fornecerá uma visão essencial para as investigações de acompanhamento de alto rendimento.

Fonte: PLOS ONE. DOI: 10.1371/journal.pone.0248956.

 

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários