Notícias de saúde

COVID-19 não é comum em pacientes que fizeram cirurgia de câncer de cabeça e pescoço

30 de dezembro de 2020 (Bibliomed). Três por cento dos pacientes submetidos a cirurgia de câncer de cabeça e pescoço em 26 países em todo o mundo testaram positivo para COVID-19 em até 30 dias após seus procedimentos, descobriu um estudo da Universidade de Liverpool, na Inglaterra. Aproximadamente a mesma porcentagem de membros das equipes cirúrgicas nesses casos também adoeceu com o novo coronavírus.

As descobertas sugerem que "falhas" podem ter existido nas medidas destinadas a limitar a propagação da infecção nesses hospitais, incluindo o uso de equipamento de proteção individual (EPI) pela equipe. No entanto, a taxa relativamente baixa de infecção entre pacientes e membros da equipe se soma ao crescente corpo de evidências que sugere interromper ou adiar o tratamento, particularmente em doenças com risco de vida, não é necessário, mesmo durante a pandemia.

Muitos dos que foram diagnosticados com esses cânceres frequentemente graves optaram por interromper ou atrasar o tratamento quando a pandemia atingiu o país na primavera passada, temendo que as visitas às instalações médicas aumentassem o risco de exposição ao COVID-19, apesar dos avisos contra isso.

Para este estudo, os pesquisadores acompanharam 1.137 adultos com câncer de cabeça e pescoço que foram submetidos a cirurgia para a doença entre março e junho. Pouco mais de 1% dos pacientes no estudo morreram de câncer ou complicações relacionadas à doença - uma taxa normal de morte para pessoas com esses tipos de câncer, com ou sem a pandemia.

Dos pacientes no estudo, 29 (ou pouco menos de 3%), foram diagnosticados com COVID-19 dentro de 30 dias de serem submetidos à cirurgia. Entre os infectados, 13 desenvolveram doenças graves e quatro morreram do vírus. Além disso, os membros da equipe cirúrgica testaram positivo para COVID-19 30 dias após a cirurgia em 40 casos.

Os pacientes tinham maior probabilidade de testar positivo para COVID-19 quando viviam em comunidades com altos níveis de disseminação do vírus, quando tinham tumores orais e quando eram submetidos a uma traqueostomia, um procedimento em que os cirurgiões criam uma abertura no pescoço para facilitar a colocação de um tubo na traqueia.

Segundo os pesquisadores, o risco de infecção entre pacientes com câncer de cabeça e pescoço em tratamento pode ser minimizado com precauções como testes da equipe, medidas de controle de infecção e vacinação. Eles concluíram que, para pacientes com câncer de cabeça e pescoço, os tumores representam uma ameaça à vida muito maior do que o risco de desenvolver COVID-19, desde que sejam tomadas precauções.

Fonte: Cancer. DOI: 10.1002/cncr.33320.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários