Notícias de saúde

Mães que bebem e fumam colocam os filhos em risco de morte

06 de maio de 2020 (Bibliomed). A síndrome da morte súbita do lactente (SMSL) é a principal causa de mortalidade pós-neonatal. Embora a taxa tenha atingido um pico, qualquer morte inesperada de um bebê é uma tragédia familiar, portanto, encontrar causas e contribuintes para o risco continua sendo uma grande preocupação de saúde pública. O objetivo principal de uma recente investigação foi determinar padrões de consumo de álcool e fumo durante a gravidez que aumentariam o risco de SMSL.

Pesquisadores americanos conduziram um estudo observacional prospectivo, em diversos locais, envolvendo 10.088 mulheres, 11.892 gestações e 12.029 fetos acompanhados após um ano de pós-parto. Padrões de exposição a bebida e tabagismo durante a gravidez foram categorizados e as correlações com o risco de SMSL foram examinadas.

Os resultados de um ano estavam disponíveis para 94,2% das crianças, com 28 casos de SMSL (2,43 por 1.000). Os pesquisadores descobriram que, em comparação com bebês não expostos ou cujas mães relataram desistiram de fumar e beber no início da gravidez, o aumento no risco relativo de SMSL foi de 11,79 para bebês cujas mães relataram tanto o consumo de álcool e tabagismo pré-natal além do primeiro trimestre; 3,95 por apenas beber após o primeiro trimestre; e 4,86 apenas por fumar além o primeiro trimestre.

A pesquisa concluiu que bebês no pré-natal expostos ao álcool e tabaco após o primeiro trimestre da gravidez têm um risco aumentado de síndrome da morte súbita do bebê (SMSL), de acordo com um estudo publicado na EClinicalMedicine.

Fonte: EClinicalMedicine. DOI: 10.1016/j.eclinm.2019.100247.

Copyright © Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários