Notícias de saúde

Fraqueza no coronavírus que pode ajudar a criar uma cura

09 de abril de 2020 (Bibliomed). Os pesquisadores podem ter encontrado uma fraqueza no SARS-CoV2, o vírus que causa o COVID-19, que fornece pistas sobre como tratar a infecção - e possivelmente desenvolver uma vacina para impedir sua propagação.

Um anticorpo recuperado de um sobrevivente da epidemia de SARS no início dos anos 2000 revelou uma potencial vulnerabilidade no novo coronavírus, de acordo com um estudo publicado na revista Science. SARS, ou síndrome respiratória aguda grave, como SARS-CoV2, é um tipo de coronavírus.

De acordo com os pesquisadores, a descoberta pode ajudar no projeto de estrutura de vacinas e terapêuticas contra o SARS-CoV-2, além de também proteger contra outros coronavírus - incluindo aqueles que podem surgir no futuro.

O novo estudo está focado no anticorpo anti-SARS-CoV CR3022, que foi isolado pela primeira vez em 2006 pela empresa farmacêutica Crucell Holland BV. Um estudo publicado em fevereiro na revista Emerging Microbes and Infections sugeriu que o CR3022 reage de maneira cruzada contra o SARS-CoV- 2. Usando doações de sangue de pessoas que se recuperaram do COVID-19, os pesquisadores usaram um método de mapeamento estrutural de resolução em escala quase atômica para determinar como o anticorpo se liga ao SARS-CoV-2. A análise revelou um local quase idêntico nos dois coronavírus aos quais o anticorpo se liga, que parece ser funcionalmente importante e vulnerável.

A análise da Scripps Research também descobriu que o local de ligação do anticorpo é relativamente remoto - normalmente não acessível aos anticorpos - da parte do vírus que agarra os receptores de proteínas da superfície celular para penetrar nas células dos pulmões. Isso sugere que, pelo menos para o SARS-CoV, o CR3002 neutraliza a capacidade do vírus de infectar células de alguma maneira indireta.

Outra descoberta importante é que o anticorpo se liga a locais semelhantes nos dois coronavírus - os locais diferem em apenas quatro aminoácidos. Esse alto grau de similaridade indica que o local tem uma função importante que seria perdida se sofrer uma mutação significativa.

Os pesquisadores observam, no entanto, que o anticorpo se liga muito menos firmemente ao COVID-19 do que ao SARS e não pode neutralizar o SARS-CoV-2 em testes de laboratório, como o SARS-CoV. Mas as descobertas sugerem que o local de ligação é uma vulnerabilidade e que os anticorpos que se ligam a ele com mais força poderiam neutralizar o vírus. As descobertas também indicam que pode haver outros anticorpos que neutralizam efetivamente o SARS e o COVID-19 - e talvez façam o mesmo com futuros coronavírus.

Os pesquisadores ressaltam que o objetivo principal é obter informações estruturais sobre anticorpos e os locais de ligação, e usá-las para orientar na formulação de uma vacina contra o SARS-CoV-2.

Fonte: Journal Emerging Microbes & Infections. DOI: 10.1080/22221751.2020.1729069.

Copyright © Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários