Comportamento antissocial persistente pode estar ligado a diferenças na estrutura cerebral

Comment

Comportamento

Comportamentos considerados antissociais, como roubar, intimidar ou mentir, podem ter origens nas estruturas cerebrais dos indivíduos que os praticam. É o que sugere estudo publicado na revista The Lancet Psychiatry, realizado em conjunto por pesquisadores dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha.

Os pesquisadores usaram exames de ressonância magnética de 672 participantes com 45 anos de idade. Os participantes foram previamente categorizados com base nos padrões de comportamento que exibiam, usando relatos de pais, cuidadores e professores, bem como relatos de problemas de conduta entre sete e 26 anos de idade.

No total, 12% dos participantes tiveram comportamento antissocial persistente ao longo da vida, enquanto 23% tiveram comportamento antissocial somente na adolescência. A maioria (66%, ou 441) não tinha histórico de comportamento antissocial persistente.

Analisando as varreduras do cérebro, os autores mediram e compararam a espessura cortical média e a área de superfície cortical – índices de massa cinzenta ou tamanho do tecido cerebral – entre esses três grupos. Eles também analisaram as diferenças na área da superfície e na espessura cortical de 360 ​​regiões diferentes do córtex, a maioria das quais anteriormente estava ligada ao comportamento antissocial através do envolvimento em comportamentos direcionados a objetivos, regulação de emoções e motivação.

Eles descobriram que, em média, em todo o cérebro, indivíduos com comportamento antissocial persistente ao longo da vida tinham uma área de superfície média menor e espessura cortical média menor do que as pessoas que não apresentaram comportamento antissocial persistente. Além disso, as pessoas que apresentaram comportamento antissocial persistente ao longo da vida reduziram a área de superfície em 282 das 360 regiões do cérebro e tiveram o córtex mais fino em 11 das 360 regiões.

No entanto, não foram encontradas diferenças generalizadas na estrutura cerebral para o grupo cujo comportamento antissocial foi limitado na adolescência em comparação com os grupos não antissociais ou antissociais persistentes ao longo da vida.

Os resultados fornecem a primeira evidência significativa para sugerir que existem diferenças neuropsicológicas subjacentes em pessoas com comportamento antissocial persistente ao longo da vida e pode ter implicações na maneira como jovens infratores são tratados.

Fonte: The Lancet Psychiatry. DOI: 10.1016/S2215-0366(20)30002-X.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *