Publicidade

Notícias de saúde

Doença Aterosclerótica deve ser tratada precocemente

28 de junho de 2011 (Bibliomed). Pessoas com alterações, mesmo que pequenas, no colesterol e na pressão arterial podem sofrer de Doença Aterosclerótica e infartar no prazo de 10 anos. Essa é uma doença caracterizada pela deposição de gordura na parede das artérias, o que dificulta a passagem do sangue.

Estima-se que cerca de 40% da população adulta sofra com esse problema e grande parte dela desconhece sua condição. Segundo Raul Dias dos Santos, diretor da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), exames clínicos e laboratoriais indicam claramente quem são esses pacientes e o início do tratamento preventivamente pode colocar essas pessoas em risco baixo de sofrer um infarto.

“Podemos reduzir de 25% a 35% o índice populacional de pessoas com o chamado risco intermediário, ou seja, pessoas com um ou dois fatores de risco, porém sem que estes sejam muito elevados”, esclarece o especialista.

Os pacientes portadores da Doença Aterosclerótica são classificados em três categorias de risco: alto, que abrange cerca de 25% desse grupo; médio, correspondendo a 40% dos pacientes; e baixo, 35% dessas pessoas.

De acordo com dados da SOCESP, existe uma maior incidência de infarto entre pacientes classificados nos grupos de baixo e médio risco, que representa o maior contingente de pessoas. Santos explica que eventos estressantes como divórcios, perda de entes queridos ou demissão podem desencadear o infarto nesses pacientes.

Como a doença pode ser assintomática, o médico pode suspeitar de Doença Aterosclerótica quando um paciente tem o HDL (colesterol bom) muito baixo ou mesmo quando existe o fator hereditário, ou seja, algum familiar que teve infarto ou AVC cedo.

Fonte: Press Release, XXXII CONGRESSO SOCESP, 23 de junho de 2011

Copyright © 2011 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: