Publicidade

Notícias de saúde

Técnica a Energia Solar Inativa HIV no Leite Materno

Por Bjorn Falck Madsen

FREDENSBURGO (Reuters Health) - Uma nova invenção dinamarquesa pode significar uma grande descoberta na luta contra infecções por HIV em países do terceiro mundo.

A pasteurização do leite materno infectado com HIV a 60 graus Celsius por 30 minutos, utilizando uma técnica movida a energia solar, inativa o vírus com eficácia, assim como bactérias causadoras de doenças.

A nova técnica fornece benefícios não só à saúde, mas também representa uma redução importante nos gastos com saúde.

Segundo Anders Fjendbo Jorgensen, do Hospital Kolding, na Dinamarca, a mãe pode operar o pasteurizador de leite materno sozinha e o custo anual por criança é de cerca de 100 dólares.

Jorgensen destacou que, comparada ao preço de fornecer medicação anti-retroviral à mãe infectada com HIV, cujos custos superam os 3.000 dólares a 6.000 dólares por meio ano, a técnica de pasteurização é uma solução que, consideravelmente, é melhor administrada e mais barata.

O pesquisador destacou que as alternativas à amamentação por uma mãe infectada com HIV seriam o leite de vaca ou uma fórmula especial. Entretanto, o leite de vaca não está facilmente disponível e a fórmula tem aumentado a mortalidade infantil devido à ausência de anticorpos importantes que protegem contra doenças infecciosas.

Jorgensen disse que, com a pasteurização solar do leite materno, os anticorpos são preservados no leite materno, de modo que as vantagens para a saúde de amamentar são mantidas.

"Esperamos que, em breve, a técnica de leite materno seja introduzida em países onde o leite de uma mãe é usado para alimentar outras crianças", afirmou Jorgensen. "Isso inclui hospitais na África, América do Sul e Extremo Oriente", acrescentou o pesquisador.

"Além disso, seria fácil dar instruções às mulheres de como utilizar a técnica movida a energia solar em casa. Levando em consideração os benefícios à saúde de usar este método de pasteurização, isso pode significar muito em termos de saúde pública melhor e gastos de saúde menores", explicou Jorgensen, que é especialista em doenças tropicais e infecciosas.

O pesquisador vem trabalhando no Programa de Controle Nacional da Aids, na Tanzânia, há 3 anos.

Atualmente, ele está coordenando um grupo de cientistas na Dinamarca e Tanzânia envolvido no uso da energia solar aplicada à saúde.

Jorgensen destacou o fato de que a tecnologia de pasteurização não só inativa o HIV no leite materno, mas também pode ser usada para descontaminar a água.

"Agora, cerca de 120 mulheres no Centro Médico Muhimbili, em Dar es Salaam, estão (extraindo) leite materno e pasteurizando-o para seus filhos e outras crianças, a maioria bebês prematuros em incubadoras, crianças com fenda palatina, ou problemas similares", disse Jorgensen.

"Entretanto, ainda precisamos descobrir como é fácil para essas pessoas lidar com o método em suas próprias casas", acrescentou.

Ele destacou que a indústria farmacêutica não está apoiado a promoção do conceito de pasteurização, um modo de prevenção de baixa tecnologia que, a longo prazo, iria reduzir a necessidade de drogas para tratar a Aids.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: