Publicidade

Notícias de saúde

Norte-Americano Prefere Morrer em Casa, Revela Pesquisa

WASHINGTON (Reuters) - Sete entre dez norte-americanos gostariam de morrer em casa, mas a maioria morre em hospitais, geralmente depois de passar por tratamentos dolorosos em unidades de tratamento intensivo, revela uma pesquisa realizada com adultos no país.

Cerca de três quartos dos norte-americanos morrem em algum tipo de instituição médica e um terço deles passa pelo menos dez dias em unidades de tratamento intensivo, conforme verificou uma pesquisa de opinião realizada em conjunto pela Time Magazine e CNN e divulgada no domingo.

A pesquisa feita pelo telefone com 1.200 adultos verificou que 73 por cento dos norte-americanos prefeririam morrer em casa se pudessem escolher, enquanto 13 por cento escolheriam morrer no hospital.

O número de pessoas que prefere morrer em casa subiu para 80 por cento na hipótese da pessoa saber que vai morrer e que tem seis meses de vida. Nestas circunstâncias, oito em dez norte-americanos disseram preferir passar seus últimos dias em casa recebendo cuidado profissional e medicação em vez de ir para o hospital e receber tratamento padrão.

A pesquisa da Time e CNN verificou que mesmo sendo anunciados como lugares humanos e confortáveis para passar os últimos dias de vida, as casa de saúde para pessoas agonizantes foram citados por apenas 17 por cento de norte-americanos.

Para Sherwin Nuland, professor de clínica no Universidade de Yale, em New Haven (Connecticut), e autor de um livro sobre a morte, os médicos precisam saber o momento de desistir.

"Não podemos derrotar a morte, mas podemos fazer uma campanha contra o sofrimento", escreveu em um comentário que acompanhou o relatório da pesquisa.

"Devemos começar por nos tornar mais dispostos a reconhecer o momento quando nossos esforços servem apenas para piorar uma situação irreversível. Saber que o tempo chegou e precisamos abandonar não o paciente, mas as barricadas onde estivemos tentando lutar contra o inevitável."

A maioria dos adultos norte-americanos entrevistados disse sentir que suas próprias experiências com a morte não foram completamente ruins. Cerca de metade viu um dos pais, amigos próximos ou parentes morrerem.

Entre aqueles cujos pais morreram, 64 por cento informaram que a família ou os amigos estavam na sala com o pai ou a mãe e 87 por cento disseram que a pessoa morreu com dignidade.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: