Publicidade

Notícias de saúde

Uso de cocaína pode estar ligado à doença de Parkinson

23 de dezembro de 2005 (Bibliomed). O abuso de cocaína poderia aumentar o risco de desenvolvimento da doença de Parkinson mais tardiamente na vida tornando o cérebro mais suscetível à toxinas do ambiente, informaram investigadores.

A advertência veio depois de testes de laboratório mostrarem que a cocaína altera células nervosas na região de substância negra do cérebro, o que as torna mais suscetíveis a uma toxina ligada unido à doença de Parkinson. A cocaína altera o sistema de controle da dopamina, o que conduz a um aumento nas partículas de radicais livres. Estas partículas à seguir se combinam com o contaminante químico MPTP (resíduo industrial frequentemente encontrado), para destruir as sinapses neurais.

A pesquisa foi realizada Saint Jude Children's Research Hospital, em Memphis, Tennessee. Os investigadores analisaram os efeitos da cocaína em células neurais injetando uma dose típica de crack em camundongos de laboratório.

Este estudo sugere que uso da cocaína possa ser um fator predisponente para o desenvolvimento da doença de Parkinson em tanto em adultos cronicamente expostos como também em indivíduos expostos durante o período pré-natal, in-utero. Segundo a revista Neuroscience, baseado nestes achados, pode não ser uma surpresa observar um aumento no número de casos da doença de Parkinson nos próximos 10 ou 20 anos.

Fonte: Neuroscience. 2005 Nov 16; [Epub ahead of print].

Copyright © 2005 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: