Publicidade

Notícias de saúde

Homeopatia Pode Ser Mais Efetiva que Placebo

Por Charnicia E. Huggins

NOVA YORK (Reuters Health) - Os defensores de tratamentos alternativos e complementares de saúde podem estar convencidos, a despeito da lacuna nos estudos científicos, que a homeopatia é mais eficaz que a pílula inativa (placebo) no tratamento de certas doenças. Os resultados de uma série de testes recentes sugerem que eles podem estar certos.

Como o autor do estudo David Reilly, do Glasgow Homeopathic Hospital (Hospital Homeopático de Glasgow), explicou à Reuters Health, a homeopatia é um método para estimular ou provocar o corpo a se defender melhor que os métodos convencionais de bloquear as respostas do corpo com o uso de drogas.

"Muita discussão sobre o assunto é dirigida pela crença ou preconceito, e faltam dados", comentou Reilly. No quarto teste da série, a equipe pretendeu fornecer dados testando se, de fato, a homeopatia não é melhor que placebo. Eles estudaram 51 pacientes que sofrem com febre do feno permanente. Do total, 24 pessoas estudadas receberam homeopatia e 27 receberam placebo diariamente durante as quatro semanas que durou o estudo.

Todo o grupo manteve um diário para anotar distúrbios nasais, como medida do fluxo do ar, e sintomas como coriza e espirros, além de sintomas nos olhos e peito.

O estudo foi realizado conforme padrões científicos e incluiu placebo para comparações, designou aleatoriamente os participantes que receberiam tratamento ou placebo e assegurou que participantes e pesquisador não soubessem quem estava tomando a droga homeopática.

Os resultados do estudo publicado em agosto na edição do British Medial Journal mostram que dos 50 pacientes que completaram o estudo, um interrompeu o tratamento. Quem recebeu tratamento homeopático teve 28 por cento de melhora nos problemas nasais enquanto quem recebeu placebo teve melhora de 3 por cento.

Conforme Reilly, os resultados objetivos positivos reforçam os três testes anteriores da série conduzidos com altos padrões (descritos como de "rigor excepcional") e publicados em um artigo anterior no Lanceta. Para o pesquisador há dois meios de interpretar os resultados positivos da série de quatro testes.

A homeopatia funciona e neste caso "temos que explorar o potencial clínico e os desafios científicos ou a homeopatia não funciona e os testes clínicos estão fornecendo uma ferramenta não confiável capaz de levar a falsos resultados positivos preocupantes", disse Reilly.

Os autores admitem que os resultados do estudo são insuficientes para provar a eficácia da homeopatia e declaram que, como qualquer outra terapia, a homeopatia requer testes científicos rigorosos e um único estudo é evidência insuficiente.

"Para possíveis pacientes, enfatizaria que é necessário uma parceria de tratamentos diferentes - não uma coisa ou outra. Sou um médico que às vezes usa homeopatia - mas não é uma cura total ou substituto para o conhecimento convencional", aponta Reilly.

Em editorial comentando o assunto, Tim Lancaster, do Instituto Oxford de Ciências da Saúde, e Andrew Vickers, do Centro de Câncer Memorial Sloan-Kettering em Nova York, reconhecem que os métodos empregados por Reilly e seus colegas foram rigorosos, sendo improvável que os resultados venham de métodos tendenciosos.

Os editorialistas concluem que o novo desafio dos pesquisadores é fazer testes maiores que poderiam realmente mudar a forma de pensar sobre a homeopatia.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: