Publicidade

Notícias de saúde

Terapia de Casal é Melhor que Drogas para Tratar Depressão

Por Patrícia Reaney

LONDRES (Reuters) - Terapia de casal é mais eficaz e barata que drogas para tratar depressão. Conforme pesquisa publicada no British Journal of Psychiatry, o marido ou a mulher de uma pessoa deprimida pode ajudar o parceiro a superar a tristeza e prevenir problemas melhor do que os antidepressivos padrões.

"O objetivo da terapia é deixar de enfocar a pessoa deprimida como doente e centrar-se na relação. Se a relação melhorar e o parceiro der mais apoio, a pessoa deprimida tende a se sentir muito melhor", disse Julian Leff, coordenador do estudo e professor do Institute of Psychiatry (Instituto de Psiquiatria), em Londres.

Os pesquisadores dividiram em dois grupos 77 casais em que um dos parceiros era deprimido. Um grupo recebeu a terapia de casal e não usou drogas enquanto o outro grupo não teve a terapia e a pessoa deprimida tomou antidepressivos. Ao final de um ano, os tratamentos foram encerrados e os dois grupos foram observados durante o ano seguinte.

Conforme os pesquisadores, a terapia de casal foi melhor que as drogas padrão na redução da depressão durante o ano de tratamento. Como a vantagem persistiu no segundo ano - quando nenhum dos grupos recebeu qualquer tratamento - os pesquisadores concluíram que a terapia teve aspecto preventivo contra outros ataques de depressão.

A pesquisa mostrou que a terapia de casal era eficaz independentemente do sexo do paciente deprimido ou da severidade da depressão.

Também constatou-se que, em um terço dos 77 casais, o companheiro do paciente deprimido também estava deprimido. "Achamos um dever colocar a terapia de casal entre os cuidados primários nos locais de trabalho dos clínicos gerais porque lá está a maioria dos pacientes com depressão. Normalmente a providência dos clínicos é receitar drogas", disse Leff.

Em um relatório separado publicado no mesmo jornal, o professor Glen Gabbard da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, afirmou que um resumo de estudos publicados mostra que a psicoterapia tem efeitos mensuráveis no cérebro.

Na opinião do pesquisador, avanços na neurociência e nas técnicas de monitoramento cerebral estão levando a uma nova era em que diferentes tipos de terapias podem ser empregadas para identificar áreas específicas do cérebro, funcionando como as drogas. Ele acha que a psiquiatria pode se dividir colocando especialistas psicossociais em um campo e neurocientistas em outro.

"A ironia da nossa resistência em integrar a mente ao cérebro é que estamos na iminência de um sofisticado entendimento sobre a interação entre o cérebro e o ambiente", declarou Gabbard.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: