Publicidade

Notícias de saúde

Ciência busca remédio contra Mal de Alzheimer

Belo Horizonte, 25 de Setembro de 2001 (Bibliomed). Número crescente de pacientes, sem um sistema público de saúde com atendimento suficiente. Este é o quadro no País no que diz respeito ao Mal de Alzheimer.

Atualmente, 1,2 milhão de brasileiros têm esta doença neurológica crônica que leva à demência. Com o envelhecimento da população brasileira, a tendência é de que o quadro fique ainda mais crítico.

Um das grandes esperanças está na descoberta de uma vacina. Em agosto deste ano, o professor catedrático de Neurologia, da Universidade de Navarra, na Espanha, Manuel Martínez Lage, chegou a anunciar que em cinco ou sete anos uma vacina de caráter preventivo e curativo estará disponível no mercado.

A falta de políticas específicas para enfrentar a doença aflige os familiares dos pacientes. No Brasil, não há distribuição de medicamentos para impedir o avanço da doença e, na maior parte dos estados, nem mesmo o acompanhamento dos doentes.

No Dia Internacional da Doença de Alzheimer, comemorado na última sexta-feira, não faltaram motivos para que as vítimas da doença e seus parentes manifestassem mais uma vez suas angústias.

Membros da Associação Brasileira de Alzheimer, Doenças Similares e Idosos de Alta Dependência (Abraz), entidade que tem 6.500 associados, lembraram que o tratamento só está disponível para quem paga planos de saúde ou atendimento particular.

A Abraz calcula que o tratamento de um paciente custe, no mínimo, R$ 600 mensais, gastos na compra de medicamentos e fraldas descartáveis. Uma das reivindicações é de que o Ministério da Saúde inclua as drogas contra o Alzheimer na lista de medicamentos distribuídos nos postos. Outro problema trazido com o Alzheimer é a desestrutura familiar.

Como o paciente é dependente, os parentes têm que se desdobrar, adaptando a própria rotina às necessidades do portador do Mal.

As pesquisas querem descobrir uma vacina, mas também as causas da doença. O Alzheimer se caracteriza pela destruição dos neurônios na área do cérebro responsável pela memória, que vai perdendo progressivamente sua função.

Até agora, os pesquisadores sabem que o Mal é provocado por fatores ambientais e genéticos. As drogas usadas contra a doença são paliativas. Entretanto, a vacina promete estimular o organismo a criar anticorpos que atuaram nas lesões cerebrais.

Os laboratórios Elan (irlandês) e Wyeth (americano) trabalham na produção do medicamento. O que os estudos ainda precisam descobrir é que pessoas correm o risco de desenvolver a doença e podem se beneficiar com a vacina. O ideal é que tão logo os fatores de risco sejam identificados, o paciente já comece a receber o tratamento, bem antes do aparecimento dos sintomas.

O pesquisador Martínez Lage acredita que estas perguntas estarão respondidas em dois anos. Os testes de tolerância à vacina serão realizados com pacientes nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Copyright © 2001 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: