Publicidade

Notícias de saúde

Aumentam Casos de HIV Resistente a Drogas, diz Estudo

Por Maggie Fox

WASHINGTON (Reuters)
- Chega a 14 por cento o número de casos de HIV resistente a drogas entre as novas infeções dos Estados Unidos, isso significa que para cada novo caso diagnosticado é preciso identificar quais drogas podem falhar, informaram médicos na quarta-feira.

Na Europa, pelo menos 10 por cento das pessoas infectadas recentemente têm uma forma viral resistente à droga, informaram pesquisadores em um encontro científico sobre Aids, referindo-se a estudos realizados na França e na Suíça.

As notícias são assustadoras para os pacientes que terão menos opções de drogas para tratar a doença, avaliaram os especialistas.

"Acho que para pessoas infectadas recentemente, o teste de resistência é muito válido", disse em entrevista a chefe de um dos estudos, Susan Little, da Universidade da Califórnia, em San Diego.

Os médicos têm debatido a validade dos testes mas, para Little, as conclusões do estudo mostram que muitas pessoas estão sendo infectadas por uma forma do vírus que já sofreu mutação e que é resistente aos efeitos de algumas das 15 drogas que estão sendo usadas para tratar a infecção por HIV.

Isso significa que estão se acumulando desvantagens contra os pacientes antes que comecem qualquer tratamento.

A equipe de Little analisou testes de sangue de 394 pacientes em oito cidades dos Estados Unidos, sendo que nenhum deles recebeu nenhuma droga contra HIV até o momento dos testes.

Os pesquisadores usaram um teste, fabricado pela ViroLogic de South San Francisco, que avaliou o vírus contra várias drogas anti-HIV.

Do total, 14 por cento dos pacientes apresentavam resistência a, pelo menos, uma droga, informou Little na 8a Conferência Anual sobre Retroviroses, em Chicago.

Os pesquisadores compararam pessoas infectadas entre 1995 e 1998 a infectadas entre 1999 e 2000. O pesquisadores verificaram um grande salto no número de pessoas que contraiu a forma do vírus resistente a drogas. "O número foi de 3,5 por cento entre 95 e 98 para 14 por cento entre 99 e 2000", disse Little.

Quando avaliaram resistência múltipla a drogas -- resistência simultânea a dois ou mais tipos de drogas -- os números foram de 0,4 por cento dos infectados entre 95 e 98 para 5,8 por cento dos infectados entre 99 e 2000.

A equipe testou o sangue dos pacientes no momento do diagnóstico e algum tempo depois, sendo possível verificar se algo ocorreu.

Conforme o esperado, esses pacientes não melhoraram quando tomaram coquetéis de drogas.

"Demoraram mais para atingir a supressão virológica e um número menor conseguiu a supressão", disse Little.

"Quem conseguiu a supressão foi mais propenso a falhar no primeiro regime. Não se saíram bem com a terapia", explicou a especialista.

Little acredita que se cada paciente com HIV for testado para resistência a drogas logo que for diagnosticado, os médicos poderiam decidir melhor que drogas receitar e quais seriam uma perda de tempo.

Outra equipe do Hospital Universitário Basel e do Instituto de Bioinformática da Suíça testou 197 pessoas com HIV entre 1996 e 1999. Verificaram que em 1996, 8,6 por cento dos testados estavam infectados por um vírus resistente a pelo menos uma droga. O número subiu para 14,6 por cento em 1997 mas caiu para 5 por cento em 1999.

Uma equipe francesa do Hospital Necker, em Paris, e da Agência de Pesquisa INSERM testou 108 pacientes com HIV e verificou que 10 por cento tinham vírus resistentes a pelo menos uma droga.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2001 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: