Publicidade

Notícias de saúde

Terapia Genética Controla Arritmia em Porcos

Por Keith Mulvihill

NOVA YORK (Reuters Health)
- Uma técnica de terapia genética conseguiu controlar o batimento cardíaco irregular em porcos, de acordo com um estudo.

Os pesquisadores esperam que um dia a técnica possa ajudar humanos com arritmia, batimento cardíaco irregular. Em casos graves ela pode levar a parada cardíaca, se não for tratada com medicação, marcapassos ou desfibriladores.

"Basicamente, provamos que é possível usar a terapia genética para ajudar arritmias cardíacas, mas esse é apenas o começo. Muitas pesquisas serão necessárias se esse tipo de terapia genética for empregada em humanos", disse o principal autor do estudo, J. Kevin Donahue, à Reuters Health.

Na edição de dezembro de Nature Medicine, Donahue e sua equipe explicam que usaram um adenovírus geneticamente modificado -- um vírus inofensivo usado na terapia genética -- para tratar cinco porcos.

O vírus continha um gene capaz de produzir a proteína inibidora G, que está ativa no nodo atrioventricular, uma massa de tecido encontrada no coração que ajuda a controlar o batimento cardíaco.

Os pesquisadores introduziram um cateter na artéria próxima ao nodo e liberaram o vírus geneticamente modificado.

Um segundo grupo de porcos (o grupo de "controle) recebeu um vírus com um gene não relacionado à função cardíaca.

Após uma semana, os cientistas mediram as taxas de impulsos elétricos e confirmaram que o gene estava dentro das células no coração dos porcos.

Além disso, Donahue e sua equipe induziram um tipo de irregularidade de batimento cardíaco grave nos porcos e descobriram que aqueles que receberam a proteína G apresentaram uma queda de 20 por cento na frequência cardíaca, comparados aos porcos do grupo de controle.

Donahue explicou que o tratamento de drogas pode ter o mesmo efeito, mas que esses remédios podem causar efeitos colaterais.

Arritmias cardíacas graves também podem ser tratadas com um marcapasso ou desfibrilador implantado no corpo, mas eles podem aumentar o risco de infecção.

Já a terapia genética é direcionada a somente uma parte específica do corpo, destacou Donahue. O pesquisador sugeriu que uma terapia pode estar disponível a humanos dentro de cinco anos.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: