Publicidade

Artigos de saúde

A importância de se medir e se controlar os níveis de colesterol

Neste artigo:

- O que é colesterol?
- De onde vem o colesterol e porque ele pode ser prejudicial?
- Como posso descobrir o nível do meu colesterol?
- O que fazer se o nível do meu colesterol estiver muito alto?
- Conclusão

"Você já ouviu a expressão colesterol ruim e colesterol bom e não entendeu bem o que significava? Leia neste artigo o que é colesterol, porque existe o colesterol bom e o ruim, como medir o nível de colesterol e o que fazer quando os níveis de colesterol estão elevados."

O que é colesterol?

O colesterol é uma substância gordurosa que está presente em todas as células do nosso corpo. Ele trafega em nosso sangue através de partículas chamadas de lipoproteínas. Três das lipoproteínas comuns são: lipoproteínas de baixa densidade (LDL), lipoproteínas de alta densidade (HDL), e lipoproteínas de muita baixa densidade (VLDL). Estudos médicos têm mostrado que níveis elevados de colesterol LDL estão associados com um risco aumentado de desenvolver placas nas artérias coronárias, os vasos que irrigam o coração, enquanto níveis elevados de colesterol HDL reduzem esse risco. Assim, os médicos algumas vezes se referem ao LDL como o "colesterol ruim" e ao HDL como o "colesterol bom".

De onde vem o colesterol e porque ele pode ser prejudicial?

O colesterol apresenta duas fontes. Nosso corpo produz algum colesterol, e nós também adquirimos colesterol em alimentos de origem animal (carne, leite, ovos, ou qualquer um de seus derivados). O consumo excessivo desses alimentos pode aumentar a quantidade total de colesterol no nosso corpo. A relação da ingestão do colesterol com o aumento nos níveis sanguíneos também têm relação com a predisposição genética. A ingestão da mesma quantidade de colesterol por pessoas diferentes pode ter diferentes resultados no nível de colesterol no sangue.

Nosso corpo necessita de colesterol para funcionar normalmente. Entretanto, o excesso de colesterol pode depositar em nossas artérias e promover a formação de um depósito conhecido como placa, que pode crescer ao longo do tempo; esse processo é chamado de aterosclerose. Um pedaço da placa pode se romper e um coágulo sanguíneo pode se formar na superfície exposta da placa. Esse coágulo pode bloquear ou diminuir o fluxo de sangue e o suprimento de oxigênio para o coração, cérebro, ou outras partes do corpo. Se esse bloqueio for significativo, pode causar um infarto do miocárdio ou um derrame, necessitando da realização de procedimentos no coração para melhorar o suprimento de sangue para os músculos do coração, ou pode levar à morte prematuramente devido à doença cardíaca. Uma das melhores maneiras de diminuir o risco de ter um infarto ou um derrame é controlar a quantidade de colesterol no seu sangue.

Como posso descobrir o nível do meu colesterol?

Todas as pessoas com 20 anos de idade ou mais deveriam realizar as medidas do nível de colesterol a cada 5 anos. A melhor maneira de medir os níveis de colesterol é com um exame de sangue chamado de perfil lipídico. Antes de fazer o perfil lipídico é preciso estar de jejum por 9 a 12 horas. O teste irá determinar a quantidade de colesterol total, colesterol LDL, colesterol HDL, e triglicérides no sangue, medidos em miligramas por decilitro (mg/dl).

O colesterol total é constituído do colesterol LDL, colesterol HDL, e colesterol VLDL. O nível desejado de colesterol total é de menos de 200. O colesterol LDL é também chamado de "colesterol ruim" porque ele se deposita dentro dos vasos para formar as placas. Níveis elevados de LDL aumentam o risco de doença cardíaca e derrame. O nível ótimo de LDL é de menos de 100.

O colesterol HDL é o "colesterol bom" porque diminui o risco de doença cardiovascular. Para os homens, um nível de HDL menor que 40 e para as mulheres, um nível de HDL menor que 50 é considerado um fator de risco para as doenças cardiovasculares

Os triglicérides são o tipo mais comum de gordura no nosso corpo. Quando os triglicérides estão acima do normal (150 ou mais), o risco de doença cardíaca ou derrame aumenta.

O perfil lipídico desejável para cada pessoa irá depender também da presença de outros fatores de risco, como diabetes, hipertensão arterial, tabagismo, idade e história de doença cardíaca precoce em familiares de primeiro grau (< 55 anos no homem e < 65 em mulheres).

O que fazer se o valor do meu colesterol estiver muito alto?

Seu médico irá recomendar um tratamento baseado no resultado do perfil lipídico. O tratamento poderá incluir mudanças no estilo de vida (dieta, exercícios, controle do peso, parar de fumar) e medicamentos. As mudanças no estilo de vida e os medicamentos irão trabalhar juntos para diminuir suas chances de ter um infarto ou um derrame.

É aconselhável que ocorra uma diminuição do consumo de gorduras saturadas na dieta para até 7% do valor calórico total. Assim, aconselha-se a restrição do consumo de gordura animal, e gorduras vegetais: polpa de coco e de alguns óleos vegetais, como coco e dendê.

Pessoas com colesterol elevado no sangue devem evitar alguns alimentos: carnes gordas, embutidos (salsicha, lingüiça, bacon e torresmo), vísceras (fígado, rim, miolo e miúdos), pele de aves, frutos do mar (camarão, lula, ostra, lagosta, polvo e marisco), gema de ovo, frios, leite integral e derivados, biscoitos amanteigados, folhados, sorvetes cremosos e chantilly. As novas recomendações de colesterol priorizam que devem contribuir em < 200 mg/dia das calorias totais na dieta diária.

A substituição dos ácidos graxos saturados por ácidos graxos poliinsaturados reduz o colesterol total e o colesterol LDL sanguíneo. As novas recomendações indicam que os ácidos graxos poliinsaturados devem participar em até 10% das calorias totais diárias. Existem dois tipos de ácidos graxos poliinsaturados, os representados pelas séries ômega-3 (a-linolênico, eicosapentaenóico-EPA e docosahexaenóico-DHA) e ômega-6 (linoléico e araquidônico). Os ácidos graxos ômega-3 são encontrados em peixes de águas profundas e frias. As fontes de ácido a-linolênico são os tecidos verdes das plantas, do óleo de canola e de soja. Os óleos de peixe ricos em ácidos eicosapentaenóico e docosahexaenóico também reduzem os triglicérides.

Os ácidos graxos monoinsaturados devem participar em até 20% das calorias totais por dia. Os alimentos que apresentam maior conteúdo de ácido oléico são o óleo de oliva (65 - 80%), óleo de canola (65 - 70%) e o abacate (45 - 50%).

O aumento da ingestão de fibras na dieta é igualmente importante. Para uma dieta saudável recomenda-se a ingestão de 20 a 30 gramas de fibras. Com a ingestão de uma xícara de cereais, e meia de feijão, uma pêra e uma maçã de tamanho médio por dia, obtêm-se 30 gramas de fibras.

A atividade física regular é importante para auxiliar na perda de peso e manter um estilo de vida mais saudável, diminui o risco de doença cardíaca, ajuda a controlar a pressão sangüínea e o diabetes, pode promover uma sensação de bem-estar e diminuir as tensões (estresse) do dia a dia.

É importante que metas realísticas sejam traçadas, e que as atividades escolhidas sejam prazerosas. Deve-se iniciar os programas de exercícios lentamente; a duração da atividade deve ser aumentada gradualmente. Deve-se também fazer uma avaliação pré-exercícios para estabelecer as atividades que sejam seguras e adequadas.

É bom lembrar que, especialmente nos idosos, a atividade física que traz mais benefícios é a aeróbica de carga baixa a moderada, como as caminhadas, a natação, para aqueles que possuem uma boa técnica de nado ou hidroginástica. O ideal é que possa realizar sessões de aproximadamente 45 minutos, o que pressupõe um metabolismo quase exclusivamente aeróbico. Igualmente importante é estabelecer um ritmo, com dias de exercício e dias de descanso, seguindo um regime adequado para intercalar os mesmos durante a semana.

Quando não se consegue atingir as metas lipídicas com as medidas de mudança no estilo de vida, está indicado o tratamento medicamentoso. Dentre os medicamentos mais utilizados estão as estatinas, as resinas de troca, os fibratos, o ácido nicotínico e os inibidores seletivos da absorção do colesterol.

Depois de iniciado o tratamento, seu médico poderá medir seu perfil lipídico várias vezes no ano para determinar a resposta ao tratamento. Novamente, é importante o jejum de 9 a 12 horas antes desse exame de sangue. Baseado nos resultados do perfil lipídico, seu médico poderá pedir que você melhore sua dieta, aumente os exercícios, ou mude de medicação.

Conclusão:

As medidas do nível de colesterol irão fornecer para você e para seu médico os dados necessários para avaliar o risco de doença cardiovascular e para prevenir, o tanto quanto for possível, um evento cardiovascular como um infarto ou derrame.

Uma dieta saudável e a prática de exercícios físicos regulares são fundamentais para o controle do nível de colesterol. E quando não se consegue atingir as metas lipídicas, o uso de medicamentos estará indicado para o tratamento

Copyright © 2015 Bibliomed, Inc. 05 de agosto de 2015



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: