Publicidade

Artigos de saúde

Alerta para o Dia dos Namorados: As DST estão Presentes no Mundo

Assim como existe o Dia dos Namorados, existem várias outras datas que comemoram outros eventos. Recentemente no dia 31 de Maio é comemorado o Dia Contra o Fumo, que tinha a finalidade de lembrar as pessoas dos perigos que representa o fumo para a saúde destas. Foi informado a toda população que no ano 2000 morrerão em todo mundo cerca de 4 milhões de pessoas devido a doenças ligadas ao fumo. É pois uma data instituída pela Organização Mundial da Saúde para se refletir sobre o tema.

O mesmo deve ocorrer com o Dia dos Namorados, ocasião em que as pessoas que se amam de todas as idades comemorarão provavelmente o seu bom relacionamento e adequado entendimento com prazer que deverá incluir o ato sexual.

A mesma Organização Mundial da Saúde instituiu o dia 1º de dezembro como o dia Internacional da Luta contra a AIDS. A UNAIDS, que é o programa das Nações Unidas contra a AIDS ligada a Organização Mundial da Saúde divulgou, no início do ano 2000 um relatório que trazia dados estatísticos sobre os seguintes tópicos:

Houve um aumento da incidência de AIDS no mundo no ano de 1999. Há, atualmente, 33,6 milhões de pessoas infectadas com o vírus HIV, sendo que 5,6 milhões foram infectados no ano de 1999 e 2,6 milhões foram a óbito em 1998. Na América Latina existem 1,3 milhões de casos, sendo que 150 mil foram infectados no ano de 1999. Na África, na faixa etária de 15 a 49 anos, existem 12,1 milhões de mulheres e 10,1 milhões de homens infectados pelo vírus do HIV (só este ano houve 3,8 milhões de novos casos).

Na África, o vírus da HIV é transmitido por relações heterossexuais do homem para a mulher. Lá existem seis mulheres infectadas comparadas a cada cinco homens infectados. Ainda na África, foi demonstrado que meninas de 15 a 19 anos têm 5 a 6 vezes mais chances de adquirir o vírus do que os rapazes.

O Ministério da Saúde do Brasil, em relatório também publicado nessa ocasião informou que no Brasil, desde o início da epidemia de AIDS em 1980 até fevereiro de 1999, ocorreram 156.000 casos registrados. Acredita-se que existam 500.000 pessoas portadoras do vírus HIV no Brasil, sendo que 48% desse total estão no Estado de São Paulo. Em l985 a relação homem-mulher infectado era de 33 para 1; hoje no Brasil é de 3 homens para 1 mulher.

A idade média das pessoas que falecem por AIDS no Brasil é de 29 anos, e considerando que o vírus da AIDS pode ter um período de incubação de 10 anos, isso significa que a maioria dessas pessoas se infectam ou através da mãe ou quando adolescentes.

Deve-se pois separar as pessoas portadoras do vírus HIV, mas que não tem a doença e aquelas pessoas que já estão doentes ou seja já tem a síndrome da imunodeficiência adquirida.

Logo após a infecção do vírus HIV algumas pessoas têm febre, dor de garganta e inchaço dos gânglios linfáticos. Esses distúrbios duram de 3-4 semanas e então desaparecem.

Depois de vários anos outros sintomas se desenvolvem: eles incluem febre recorrente, infecções respiratórias e gastrintestinais, cansaço, perda de peso, gânglios inchados, erupções (manchas) na pele e tumores. Às vezes há sintomas cognitivos (mentais) como confusão, esquecimento e perda de concentração.

Outras doenças graves

Existem inúmeras doenças transmitidas através do ato sexual que eram chamadas de doenças venéreas e agora tem a denominação de Doenças Sexualmente Transmissíveis, conhecidas pela abreviação DST. As DST são um grande problema de saúde pública em todo o mundo, mas podem ser prevenidas e controladas.

Desde o fim da década de 80, várias alterações relacionadas as DST ocorreram em todo o mundo. Constatou-se que em todos os países o aumento da transmissão heterossexual do HIV (vírus da AIDS) era facilitada pela infecção anterior ou concomitante de outras DST; As autoridades sanitárias tiveram evidências incontestáveis de que o controle abrangente e consistente das DST na comunidade previne a transmissão do HIV da AIDS.

Na década de 70 a faixa etária de pacientes com problemas relacionados às DST situava-se acima dos 30 anos. Atualmente, a média baixou para 12 anos. A incidência mais comum do setor nos últimos anos tem sido o papilomavírus humano (HPV), responsável por mais de 60% das ocorrências de DST no Brasil (seguindo-se a sífilis e as uretrites não-gonocócicas).

A estimativa da Organização Mundial de Saúde é que surjam 30 milhões de novos casos de DST por ano na América Latina. No Brasil, estima-se em 15 milhões essa ocorrência. Entretanto, esse número pode estar aquém do número real, já que as únicas doenças de notificação compulsória que os médicos devem avisar, obrigatoriamente ao Governo, são a sífilis congênita e a AIDS.

As principais DST

As DST são transmitidas de uma pessoa para outra através do contato sexual, sendo as principais as seguintes:

1 – Gonorréia – É uma infecção causada por uma bactéria Neisseria gonorrhoeae. No homem parece uma secreção purulenta 2 a 10 dias após o contato sexual suspeito, com dor e ardência ao urinar. É uma infeção só da uretra (uretrite). Na mulher tem aspecto clínico variado desde formas quase sem sintomas até vários tipos de corrimento amarelados e com odor forte na vagina (vaginite) e uretra. A infecção não tratada avança para os testículos (orquite) e a próstata (prostatite) no homem e trompas e útero nas mulheres. Dando em ambos os sexos, dores e infertilidade. A mulher infectada transmite a doença para o filho durante o parto, podendo dar cegueira na infeção dos olhos do bebê.

2 – Sífilis ou Lues– é uma infeção causada por uma bactéria espiroqueta Treponema pallidum. No homem e na mulher 20 a 30 dias após o contato sexual surgem uma pequena ferida (úlcera) nos órgãos genitais (pênis, vagina, colo do útero, reto). Essa úlcera também é chamada de cancro duro (que vem junto com os gânglios (caroços) na virilha) e ambos desaparecem em um mês, dando a falsa impressão que a doença sarou. Surgem depois de 1 a 2 meses manchas na pele (sífilis secundária) que pode progredir agredindo o sistema nervoso e o coração. As gestantes com sífilis podem ter abortamentos, natimortos ou fetos com problemas de má formação.

3 – Cancro Mole ou Bubão – é causada por uma bactéria chamada Haemophilus ducrey. Neste caso, surgem várias feridas nos genitais (que são doloridas) e na virilha. A secreção dessas feridas podem contaminar diretamente, sem ter relações sexuais, outras pessoas e outras partes do corpo.

4 – Tricomoníase – é causada pelo protozoário Trycomona vaginalis. Na mulher causa um corrimento amarelo, fétido, com cheiro típico, que pode causar irritação urinária. No homem passa despercebido, mas mesmo assim ele pode contaminar e ser contaminado pela mulher. O casal deve fazer o tratamento concomitante.

5 – Herpes Genital – é causada pelo vírus Herpes simplex 1 e 2 . Em ambos os sexos surgem pequenas bolhas que se rompem e causam ardência ou queimação (mas, que cicatrizam sozinhas). Aparecem e desaparecem expontaneamente regulada por estresse ou cliclo menstrual. Não há cura definitiva. O contágio sexual só ocorre quando as bolhas estão no pênis, vagina ou boca.

6 – Condiloma acuminado ou crista de galo - é causado por um vírus HPV ou papilomavírus humano. É uma virose que está relacionada com o câncer de colo do útero e câncer do pênis. É uma doença de difícil tratamento pois, como os anti-bióticos não atuam contra o vírus, precisa ser um medicamento anti-vírus como é usado na AIDS. É caracterizada por uma pequena verruga nos órgãos genitais tanto do homem como da mulher. O tratamento é do casal. Uma mulher com esse vírus deve evitar ficar grávida, pois o filho será contaminado com graves conseqüências. Apresentando mais de noventa tipos diferentes, o HPV provoca verrugas genitais, que muitas vezes agridem o colo do útero, podendo levar ao câncer. O HPV 16, por exemplo, é extremamente agressivo, proliferando-se intensamente nos genitais e no colo uterino até em pacientes de 15 anos, já com câncer no colo do útero provocado pelo HPV.

7 – Cândiase ou Flores Brancas - É uma doença causada por uma micose ou fungo chamada de Candida albicans, que produz um corrimento semelhante a um leite coalhado que causa muita coceira e afeta 20 a 30% das mulheres jovens e adultas. Surge com a gravidez, com a puberdade, diabetes, estresse e antibióticos. No homem dá coceira no pênis, vermelhidão na glande e no prepúcio. Deve se tratar o casal.

8 – AIDS – é uma doença causada pelo vírus HIV (Vírus da imunodeficiência humana) que é transmitido principalmente pelo esperma, sangue, e leite materno, e há suspeitas de que também pela saliva. O beijo só poderá transmitir o vírus no período que está em alta concentração no sangue de um dos parceiros e o outro tem um ferimento na boca. O sexo oral com um parceiro que tem o vírus, tem maior probabilidade de transmissão da infecção, pois o contato é com o semem, aumentando as chances se houver uma ferida na boca

9- Clamidea causada pela Chlamydia trachomatis é considerada atualmente a doença sexualmente transmissível de maior incidência no mundo, podendo atingir homens e mulheres em qualquer fase de suas vidas, desde quando nascem de mães contaminadas ou durante o contato sexual. Nos homens, a principal infecção por via sexual é a uretrite. Essa uretrite tem como característica ser menos purulenta e espontânea do que a gonorréia. Geralmente é matinal e pode demorar dias para se manifestar. Promove em alguns homens disúria (dor ao urinar) e um prurido uretral. Se não identificada e tratada corretamente, pode progredir para uma infecção mais profunda, atingindo os testículos com comprometimento da fertilidade. Nas mulheres, a porta de entrada é o colo uterino. O sintoma, quando ocorre, é um discreto corrimento. As complicações nas mulheres da infecção não tratada são a doença inflamatória pélvica e o aumento do risco de gravidez ectópica (fora do útero, nas trompas). A maioria das pessoas (50% dos homens e 70% das mulheres) infectada não apresenta sintomas ou sinais clínicos, dificultando muito a identificação das pessoas contaminadas. Estas últimas têm um potencial para adquirir sérias complicações, já que na maioria das vezes não procuram cuidados adequados, portando estas infecções duram por longos períodos. Além disso, funcionam como reservatórios e transmitem essas infecções aos parceiros tornando-as um dos principais problemas de saúde pública em todo o mundo.

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: