Notícias de saúde

Aparentemente as crianças não estão impulsionando a transmissão da COVID-19

06 de agosto de 2020 (Bibliomed). Desde o início da pandemia da doença de coronavírus (COVID-19), as crianças foram menos afetadas que os adultos em termos de gravidade e frequência, representando menos de 2% dos casos. Diferentemente de outras infecções respiratórias virais, parece que as crianças não são um vetor importante de transmissão do coronavírus 2 por síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), com a maioria dos casos pediátricos descritos dentro de grupos familiares e nenhuma documentação de transmissão de criança para criança ou de criança para adulto.

Um estudo realizado na Suíça buscou descrever a apresentação clínica dos primeiros 40 casos pediátricos de COVID-19 em Genebra e a dinâmica de seus agrupamentos familiares.

Os pesquisadores descobriram que 40 de um total de 4.310 casos de SARS-CoV-2 em Genebra tinham idade inferior a 16 anos (0,9%). A avaliação do agrupamento familiar revelou quatro membros por cada família. Em 79% dos casos, os contatos domiciliares adultos foram suspeitos ou confirmados com o COVID-19 antes da criança; em 8% das famílias, a criança do estudo desenvolveu sintomas antes de qualquer outro contato familiar.

Em um editorial anexo, foram discutidas as implicações desses achados do estudo. Os autores observam que a transmissão nas escolas pode ser menos importante do que a transmissão na comunidade, em relação ao que se temia inicialmente, fornecendo garantias de que a transmissão na escola pode ser administrável, e ainda, que o fechamento das escolas pode não ser necessário. Além disso, os modelos matemáticos sugerem que o fechamento da escola por si só pode ser insuficiente para interromper a propagação da epidemia e pode ter apenas efeitos modestos.

Fonte: Pediatrics. DOI: 10.1542/peds.2020-1576.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários