Notícias de saúde

Distanciamento social pode reduzir propagação do COVID-19 em até 99%

26 de março de 2020 (Bibliomed). O distanciamento social pode ser a maneira mais eficaz de reduzir a disseminação do novo coronavírus, sugere um estudo publicado dia 24 de março de 2020 no The Lancet.

Usando um modelo de surto, pesquisadores Escola de Saúde Pública Saw Swee Hock da Universidade Nacional de Cingapura descobriram que uma abordagem combinada do distanciamento físico - colocar indivíduos infectados e suas famílias em quarentena, fechar escolas e praticar o distanciamento no local de trabalho - reduziu o número médio estimado de casos de COVID-19 na população em até 99,3%.

Para o novo estudo, os pesquisadores desenvolveram um modelo de epidemia de gripe com base individual para estimar a probabilidade de transmissão de COVID-19 de homem para homem e depois avaliar o impacto potencial do distanciamento social no surto.

Os parâmetros do modelo incluíam o quão infeccioso um indivíduo é ao longo do tempo, quanto da população poderia ser assintomática, o período de incubação do vírus e a duração da internação hospitalar após o início dos sintomas. Com o modelo, os pesquisadores estimaram o número acumulado de infecções por COVID-19 em 80 dias, após a detecção de 100 casos de transmissão na comunidade.

Dado o conhecimento limitado sobre o quão contagioso é o vírus, os pesquisadores calcularam o impacto do distanciamento social com base em três níveis de transmissibilidade do vírus: baixa infecciosidade, com um número de reprodução de 1,5; infecciosidade moderada e provável, com um número de reprodução de 2,0; e alta infecciosidade, com um número de reprodução de 2,5. Os números básicos de reprodução foram selecionados com base em análises de dados de pessoas com COVID-19 em Wuhan, China, onde o surto começou.

Por fim, os pesquisadores modelaram os totais de casos com base nos seguintes cenários: sem intervenção de distanciamento; isolamento de indivíduos infectados e quarentena de seus familiares ou quarentena; quarentena e fechamento imediato da escola por duas semanas; quarentena e distanciamento imediato do local de trabalho, em que metade da força de trabalho é incentivada a trabalhar em casa por duas semanas; e uma combinação de quarentena, fechamento imediato da escola e distanciamento do local de trabalho.

Eles também assumiram que 7,5% da população infectada era assintomática, mas ainda contagiosa. Neste ponto, não está claro quantas pessoas ficaram doentes com o COVID-19, mas não apresentam sintomas.

Sem intervenção e níveis relativamente baixos de transmissibilidade de vírus, os pesquisadores descobriram que, no dia 80, 7,4% da população residente de Cingapura estaria infectada. Em níveis moderados de transmissibilidade, 19,3% da população de Cingapura seriam infectados e, com alta transmissibilidade, 32% da população de Cingapura seria infectada.

A intervenção combinada de distanciamento foi mais eficaz na redução do número de infecções nos três níveis de transmissibilidade: 99,3% em baixa, 93% em moderada e 78% em alta. E todos os cenários de intervenção foram mais eficazes na redução de casos do que nenhuma intervenção.

Os pesquisadores alertaram que, como pouco se sabe sobre a transmissibilidade do vírus - eles usaram dados do surto de SARS de 2004-05 para criar seu modelo - os efeitos reais do distanciamento social não são claros. Contudo, os resultados fornecem evidências para os formuladores de políticas públicas em todo o mundo iniciarem a implementação de medidas aprimoradas de controle de surtos que poderiam mitigar ou reduzir as taxas de transmissão local se implementadas de maneira eficaz e oportuna.

Na segunda-feira (23 de março), a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que as medidas de distanciamento social não são suficientes para impedir a propagação do novo coronavírus, que já infectou quase 400.000 pessoas em todo o mundo. De acordo com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, além de colocar do isolamento social, é preciso tratar todos os casos confirmados, e realizar testes para rastreamento de pessoas que tiveram contato com os doentes e colocá-los quarentena também.

Fonte: The Lancet Infectious Diseases. DOI: 10.1016/S1473-3099(20)30162-6.

eHealth Latin America Copyright © Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários