Publicidade

Notícias de saúde

Padrões de beleza da semana de moda influenciam negativamente os jovens, alerta especialista

28 de janeiro de 2010 (Bibliomed). A 28ª edição da São Paulo Fashion Week mal terminou e já recebeu críticas devido ao excesso de magreza exibido pelas modelos durante os desfiles. Encerrado na última sexta-feira, o principal evento de moda da América Latina teve não só desaprovação por parte dos profissionais de saúde, como da própria organização do evento, que expressou, através de um comunicado, sua preocupação com as meninas muito magras, e solicitou que “os atuais padrões estéticos sejam revertidos”. “No auge do pânico antianorexia, pesavam as modelos no backstage para ver se estavam saudáveis. Agora, a poeira baixou. Se você engorda um pouco, todo mundo está lá pra te julgar. Se emagrece, falam que você está linda”, disse a modelo Aline Weber.

Influenciados pelas imagens de modelos muito magras, crianças e adolescentes tornam-se obcecados por um porte físico que beira ao esquálido e deixam de se alimentar a fim de manterem-se com baixíssimos níveis de gordura no corpo. Em consequência desse pensamento, muitos deixam de comer adequadamente e adotam dietas à base de água e biscoitos, podendo desenvolver distúrbios alimentares sérios.

De acordo com a psiquiatra Angélica Claudino, da Comissão Técnica de Transtornos Alimentares da Associação Brasileira de Psiquiatria, estudos mostram que existe um impacto gerado sobre as imagens veiculadas na mídia nas quais a magreza representa símbolo de beleza. Além disso, a especialista aponta os graves prejuízos dessa influência. “Esses padrões favorecem o surgimento de insatisfação com a imagem corporal e causam baixa autoestima no jovem, gerando um cenário propício para o desenvolvimento de transtornos alimentares”, revela a médica.

Doenças como anorexia e bulimia nervosa são exemplos de transtornos alimentares que podem surgir em decorrência do impacto deste “culto à magreza” e de uma alimentação inadequada em indivíduos vulneráveis. Quando não diagnosticadas e tratadas corretamente, levam a consequências fatais. “Em casos de desnutrição grave ocasionados por uma anorexia nervosa, pacientes não tratados podem cronificar a doença e há sérios riscos de morte por complicações médicas, como arritmias cardíacas, infecções, e etc”, alerta a especialista.

Fonte: Associação Brasileira de Psiquiatria. Press release recebido em 27 de janeiro de 2009.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: