Publicidade

Notícias de saúde

Complicações vasculares do diabetes são explicadas

NEW YORK, (Reuters Health) – O mecanismo complexo pelo qual o diabetes realiza seu efeito devastador sobre os vasos sangüíneos no corpo humano está agora perto de ser compreendido, de acordo com um novo artigo.

Os resultados podem levar a novas formas de estudar e tratar a doença arterial comum em pacientes diabéticos, incluindo má circulação e doença cardíaca.

O Dr. Jose Halperin e colaboradores da Escola de Medicina de Harvard, Hospital Brigham and Women’s e Centro Joslin de Diabetes, todos em Boston, Massachusetts, averiguaram se um componente do sangue, chamado complemento, pode ser responsável pelos problemas vasculares vistos nos diabéticos. O complemento está envolvido na destruição de células e partículas estranhas como parte da resposta imunológica. Os resultados da equipe estão publicados na edição de 9 de maio da Proceedings of the National Academy of Sciences.

Em entrevista à Reuters Health, Halperin explicou que quando ativado, o sistema complemento gera um chamado complexo de ataque de membranas (CAM), o qual toma a forma de poros ou buracos na membrana celular. “Os fatores de crescimento... são liberados através destes poros CAM e então induzem a proliferação das células,” ele disse. O efeito proliferativo do complemento também pode estar ligado à aterosclerose, o processo pelo qual as placas se formam nas paredes das artérias. Em diabéticos, as complicações a longo prazo da doença incluem aterosclerose acelerada e distúrbios proliferativos da retina e do rim. De acordo com Halperin, “a importância clínica do diabetes não é apenas a hiperglicemia (alto nível de açúcar no sangue) por si só. São as complicações da hiperglicemia... e todas elas são proliferativas.”

A atividade do complemento “é estreitamente regulada e, em parte, é regulada por proteínas que estão presentes em todas as células animais,” observam os pesquisadores. “Uma (destas) proteínas especificamente, a CD59, inibe a formação de CAM.” A equipe de pesquisadores estudou a CD59 para ver como esta proteína funciona.

Altos níveis de glicose no sangue resultam em ligação química entre a glicose e proteínas como a CD59, em um processo chamado glicosilação. Mas a glicose não se liga a qualquer parte da proteína. Para que a reação química ocorra, explicou Halperin, componentes específicos da proteína devem ser arranjados em uma configuração particular que inclui alguns aminoácidos, os blocos que compõe as proteínas. O açúcar somente pode se ligar à lisina se a mesma tiver outra lisina ou histidina muito próxima a ela. Esta configuração tem sido chamada de “motivo de glicosilação”.

“Nós descobrimos que na CD59 humana, existe um “motivo de glicosilação” ele disse. “Segundo, nós encontramos que a CD59 humana purificada exposta a altos níveis de glicose se torna glicosilada e... inativada, então a glicosilação inibe a função da CD59 humana,” ele prossegue. “Esta é a ligação molecular entre o complemento e as complicações do diabetes: a glicosilação inibe a CD59; a inibição da CD59 aumenta a deposição de CAM; isto libera fatores de crescimento e promove o crescimento das paredes dos vasos e outros tecidos,” disse Halperin. De forma curiosa, animais não desenvolvem complicações pelo diabetes da mesma forma que os humanos. “A intensidade (das complicações), particularmente a aterosclerose, não é vista em animais e assim não existem bons modelos animais para estudo das complicações crônicas,” explicou Halperin. De fato, o aminoácido histidina responsável pela ativação da glicosilação da CD59 “não está presente em qualquer outra espécie” nas quais a CD59 já foi extensamente estudada. O próximo objetivo da equipe de pesquisadores, de acordo com Halperin, é criar um camundongo que tenha histidina “inserida na posição da proteína humana e nós esperamos tornar o animal sensível à inativação da CD59 pela glicosilação.”

“Se estivermos certos,” ele concluiu, “tornar estes animais hiperglicêmicos deverá levar ao desenvolvimento de complicações mais comparáveis às do diabetes humano e se isto acontecer, este se tornará um modelo animal muito importante para estudo do tratamento e da biologia destas complicações.”

FONTE: Proceedings of the National Academy of Sciences 2000;97:5450-5456.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: