Publicidade

Notícias de saúde

Cruz Vermelha Admite Ter Falhado no Combate à Aids

NAIRÓBI, Quênia (Reuters) - A Federação Internacional da Cruz Vermelha admitiu na quinta-feira ter falhado em fazer o suficiente para combater a Aids, que deve ceifar várias vidas na África na próxima década.

Além disso, para marcar o Dia Mundial da Aids, que acontece na sexta-feira, a Cruz Vermelha admitiu que cerca de 100.000 de seus voluntários têm a doença.

"A Cruz Vermelha nasceu nos campos de batalha do século 19, mas nem mesmo os horrores da guerra no século 20 podem ser comparados com a perda de vidas que veremos na África na primeira década desse novo milênio por causa da pandemia de Aids", disse Bekcle Geleta, chefe na África para o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla em inglês).

A Cruz Vermelha disse que mobilizaria dois milhões de voluntários nos 53 países da África. A organização pediu 10,5 milhões de dólares em doações para um novo programa de 10 anos da Cruz Vermelha africana.

A ONU (Organização das Nações Unidas) disse que a África sub-saariana tem 25,3 milhões dos 36,1 milhões de pessoas em todo o mundo infectadas com o HIV.

Quase um em cada 10 adultos africanos tem o vírus e 3,8 milhões de crianças e adultos foram infectados com o HIV só neste ano.

Cerca de 2,4 milhões de africanos morreram de doenças relacionadas à Aids nos últimos 12 meses, elevando o total de mortes no continente para mais de 15 milhões -- mais de três quartos do total mundial.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: