Publicidade

Artigos de saúde

Bico/Chupeta - Parte Integrante da Vida do Bebê ou um Recurso Dispensável?

Neste Artigo:

- O bico não é um amparo
-
Inspeção Constante - Uma obrigação

Companheira dos choros, dos momentos que antecedem o período de fome e até dos momentos de brincadeira. Enfim, o bico ou a chamada chupeta é uma companheira de todas as horas, mais quais são os cuidados que todos devem ter com relação ao seu uso?

Parte integrante do enxoval do bebê, o bico, representa além de tudo uma determinada conotação de tranqüilidade. Por outro lado, o bico com as suas diferentes marcas, formas, cores e desenhos têm despertado uma atração irresistível para o consumo das futuras mães, mas, ao mesmo tempo, confundem no momento da escolha. Amado pela maioria das crianças e criticada até de forma moderada por muitos, você acha que o bico/chupeta poderia ser uma boa pedida ou um estrago para as futuras gerações?

Qualquer resposta seria duvidosa, mas o mais importante seria determinar em primeiro lugar vários pontos, como a duração que esta chupeta ou bico é usada, a intensidade e a freqüência de uso.

Segundo estudiosos do assunto, no caso do bico ser usado por um período muito prolongado, ele poderá prejudicar a amamentação materna, causar um posicionamento imperfeito dos dentes, além de causar determinados desvios no crescimento dos maxilares e alterações na deglutição e até na fala. Quando utilizada de forma racional, o bico/chupeta poderá estimular a atividade muscular e causar uma influência benéfica na saúde oral do bebê, sem interferir na atividade de sucção nutritiva.

O ser humano possui um ciclo de evolução e normalmente no caso das crianças entre 0 a seis meses de idade, estes bebês devem deglutir, sugar e respirar bem. Tudo isto de uma forma bem coordenada.

A sucção é um impulso que surge na criança a partir de seu nascimento, além de ser um treinamento para aprender a alimentar através do processo de mastigação. Assim, a sucção não está ligada somente a questão da nutrição, mas também como uma satisfação que o bebê tem ao mamar. Dessa forma, quando isso ocorre, o bico deve ser usado racionalmente.

O bico não é um amparo

Cautela. É o que recomendam os especialistas tanto pediatras como os dentistas. Um bico não deve ser oferecido em qualquer momento de desconforto e o choro não pode ser entendido com um sinal para que se dê imediatamente o bico para um bebê. Além disso, o bico não pode ser um padrão de recurso na tentativa de satisfazer a criança nos momentos nos quais não se pode dar uma determinada atenção. Já os ortodontistas destacam ainda que a criança precisa manter a boca fechada durante o sono, portanto é recomendado não deixar uma criança dormir com bico, pois é necessário o favorecimento da respiração correta pelo nariz.

Outro ponto importante do bico é que o seu uso pode prevenir que o dedo se torne um objeto de sucção. Assim um bico mais anatômico e funcional poderá impedir que o dedo se transforme em uma opção, se tornando um hábito. Uma chupeta, por exemplo, deve ter a sua ponta compatível com o tamanho da boca e com a idade do bebê. Além disso, é importante que a direção do longo eixo desta ponta esteja sempre em uma posição inclinada para cima em relação ao apoio labial.

No caso dos recém-nascidos, os ortodontistas de uma maneira geral recomendam que ele seja de silicone ou látex. Já nos casos de prematuros, este bico deve ter um tamanho mais adequado, no sentido de garantir melhor posição da língua. Além disso, os pais devem observar também a qualidade desta chupeta, o seu formato, etc. Enfim, tudo deve ser verificado para que este bico ofereça conforto a criança e não uma provável deformação da arcada dentária, já no futuro bastante próximo. Além disso, um bico nunca deve ser dependurado ao redor do pescoço do bebê com fita, corrente ou fralda, pois além de haver o risco de estrangulamento, poderá favorecer a instalação do hábito.

Inspeção Constante - Uma obrigação

Para a segurança do bebê, o bico deve ser verificado freqüentemente para detecção de qualquer sinal de deteriorização. Se o bico estiver inchado, rasgado ou pegajoso, ele deve ser trocado. Depois de cada uso, os pais devem verificar se este bico está bem preso à sua base, para evitar acidentes, casos que normalmente são relatados por pais e geralmente provocam grandes sustos.

Os pais podem ainda ajudar o bebê, estimulando a sucção da criança, através de movimentos leves para trás, como se fosse para retirá-la da boca. Ao fazer esses exercícios, a musculatura facial estará trabalhando e a função de sucção será melhorada. Os odontólogos e pediatras sempre alertam que o bico nunca deve ser mergulhado em substâncias doces, para evitar a instalação da cárie, como também não incentivar o uso do açúcar tão cedo.

É fundamental que os profissionais transmitam às mães a informação de que a chupeta deve ser utilizada exclusivamente como um aparelho, para complementar a sucção na fase em que o bebê necessita desse exercício funcional, que é um estímulo benéfico ao crescimento e desenvolvimento da arcada dentária.

Vários estudiosos sobre o assunto recomendam que os pais pensem bastante sobre o uso da chupeta. Isto porque em breve, o seu bebê estará falando. Por isso, é importante lembrar de que o uso prolongado da chupeta ou bico poderá provocar ainda alterações na linguagem, além das prováveis deformações ósseas e/ou dentárias. Alguns dentistas advertem para que os bebês não usem o bico durante todo o dia. Mesmo porque, com a boca permanentemente ocupada, a criança não terá como exercitar as primeiras palavras, podendo até retardar a fala. Além disso, quando começam a balbuciar algumas palavras, existem tantas coisas novas, que talvez o bebê nem sinta falta. Pense e discuta o assunto com um especialista da área, se existir dúvidas. O melhor seria adotar a chupeta somente na hora de dormir.

Copyright © 2006 Bibliomed, Inc.           Revisado 26 de Outubro de 2006



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: