Publicidade

Artigos de saúde

Quimioprevenção do câncer com constituintes da dieta: Uma história de fracassos e promessas

Neste Artigo:

- Questionamento sobre Dieta e Saúde
- Histórico da Quimioprevenção
- Como Testar se um Agente ou uma Dieta têm Eficácia Quimiopreventiva?
- O Futuro da Quimioprevenção
- Veja outros artigos relacionados ao tema

"Uma das perguntas que os pacientes com câncer fazem mais freqüentemente a seus oncologistas é “a minha dieta pode fazer alguma diferença?”. As respostas a esta pergunta tendem a ser vagas. Todas as recomendações quanto à alimentação são baseadas em estudos do risco aumentado ou proteção que as dietas dão às pessoas. Os governos de muitos países ocidentais se deparam atualmente com assuntos tais como alimentos geneticamente modificados e a carne infectada com “prion” (vaca-louca), e analisam muito bem antes de terem uma posição sobre a dieta da população".

Questionamento sobre Dieta e Saúde

Uma outra razão para as perguntas dos pacientes sobre a dieta é o papel publicitário da modificação dietética na prevenção da doença cardiovascular; e conseqüentemente, as pessoas questionam se a dieta pode impedir que o câncer alcance seus estágios invasivos e metastáticos, ou prevenir o câncer.

Os dados epidemiológicos que sugerem que o câncer pode ser prevenido são baseados em estudos, na incidência e na mortalidade do câncer, em variações geográficas e nos efeitos da migração das pessoas, na identificação de fatores causadores específicos, pois não há testes padrões genéticos simples específicos para identificar a maioria dos cânceres humanos.

Histórico da Quimioprevenção

A quimioprevenção pode ser definida como o uso de produtos químicos naturais ou sintéticos, com o objetivo de inverter, suprimir, ou impedir o processo de evolução do câncer.

O otimismo inicial a respeito da quimioprevenção do câncer por constituintes dietéticos foi diminuído pelo resultado das experimentações que não detectaram nenhum benefício. Embora os resultados de experimentações clínicas com -caroteno para impedir o câncer de pulmão, e o aumento na ingestão de fibras ou frutas e vegetais para reduzir a ocorrência de pólipos no intestino sejam até agora negativos, um caminho para o desenvolvimento de constituintes da dieta como agentes quimiopreventivos do câncer está emergindo.

Os resultados de estudos clínicos recentes ilustram uma mudança na ênfase na prevenção do câncer. Muitos derivados da soja, do açafião (tempero), da soja, e de chás têm propriedades supressoras da evolução de tumores em testes com roedores, e interfere com os processos celulares envolvidos na promoção e na progressão do tumor. O suplemento, a longo prazo, na dieta com folato parece diminuir o risco do câncer colorretal.

Como Testar se um Agente ou uma Dieta têm Eficácia Quimiopreventiva?

A investigação de constituintes dietéticos deve seguir um projeto estruturado, incorporando estudos epidemiológicos e pré-clínicos paralelos da fonte do alimento e o agente isolado com relação à eficácia, à toxicidade, mecanismos biológicos e farmacocinéticos.

Os estudos epidemiológicos de dietas especiais são limitados, e as experimentações controladas de constituintes dietéticos específicos não existiam até a década passada. A avaliação clínica das substâncias e as características quimiopreventivas que ela apresenta é de grande importância e a substância em teste tem que ser toxicologicamente inócua porque provavelmente será administrada a pessoas saudáveis por longos períodos.

As experimentações clínicas em laboratório devem preceder das outras fases do estudo que é dividido em fase I, II e III em populações apropriadas.

Em estudos da fase I, a segurança da dose da droga é determinada; esta pesquisa inclui investigações farmacocinéticas, sendo que as doses e as programações iniciais devem ser baseadas em dados da toxicidade e da eficácia dos modelos pré-clínicos. Em experimentações da fase II, um projeto é usado para avaliar provavelmente a dose resposta e efeitos tóxicos comuns resultados da administração a longo prazo. Diversos níveis de dose são avaliados nestas experimentações. As experimentações da fase II podem ser feitas nos indivíduos com lesões ou pacientes pré-malignos curados de um câncer inicial mas com risco de desenvolver um segundo tumor. Se a segurança e a eficácia forem satisfatórias nestas experimentações, o agente prossegue para experimentações clínicas da fase III. Estes são os testes finais da eficácia da droga.

O Futuro da Quimioprevenção

A combinação de agentes citotóxicos trouxe avanços aproximadamente importantes no tratamento dos linfomas, dos tumores da infância, e das neoplasias de células germinativas. Aparentemente o uso simultâneo de drogas com mecanismos diferentes de ação parece ser mais eficaz. O uso das combinações de constituintes quimiopreventivos derivados da dieta pode ser benéfico pois pode explorar a ação e eficácia entre eles, mas as combinações necessitam ser testadas inicialmente em modelos pré-clínicos.

Não há atualmente nenhuma resposta definitiva às perguntas dos pacientes e dos indivíduos com risco de terem câncer aos oncologistas, a respeito da dieta ou dos suplementos dietéticos. Muitas evidências indicam que a eficácia da dieta em atuar na redução de doenças é real e os desenvolvimentos futuros poderão ajudar os profissionais de saúde a responder as perguntas sobre dieta e suplemento alimentar.

As recomendações dietéticas baseadas nas evidências epidemiológicas, tais como comer diversas porções de frutas e de vegetais por dia, são consideradas geralmente seguras.

A suplementação alimentar é uma alternativa atrativa nos termos da facilidade da administração e da precisão da dose. Contudo estudos mais aprofundados são necessários, pois isso permitirá a caracterização dos efeitos em concentrações relevantes dos suplementos.

Necessita-se ainda de mais conhecimento sobre as concentrações dos agentes quimiopreventivos e dos seus metabólitos que impedem o câncer, e de como tais concentrações se relacionam àquelas alcançáveis nos tecidos doentes nos seres humanos e de como atuarão nesses locais.

A cada mês novas descobertas de mecanismos pelos quais os constituintes da dieta podem impedir o câncer são publicadas, e alvos tais como COX2 e telomerase, e células do ciclo regulador são assuntos de grande interesse entre os médicos da área.

O desafio em descobrir constituintes quimiopreventivos advindos da dieta e seus benefícios é considerável, mas as recompensas potenciais e futuras são enormes.

Copyright © 2002 Bibliomed, Inc.                25 de Setembro de 2002.
 



Artigos relacionados com esse tema:

Uma dieta melhor e exercícios podem diminuir em um terço o risco de câncer

Dieta Balanceada

Dieta Vegetariana na Gravidez: Riscos e Benefícios



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: